Brigada Jovem de Literatura de Angola

Conjunto de jovens escritores designados por "novíssima geração" que publicaram obra literária, pela primeira vez, já depois da Independência de Angola, em 1975. Detentores de curricula académicos e profissionais variados, estes jovens situavam-se dentro de uma "formação social" homogénea, resultado da situação vivida no país. Não constituindo, de acordo com o professor Pires Laranjeira, in Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, uma plêiade literária comparável, no que concerne aos objetivos definidos e aos fatores de unidade, à conhecida "geração de 70" portuguesa de oitocentos, estes jovens preencheram os espaços poéticos da passada próxima década de 80, tendo-se repartido por dois movimentos fundamentais de que se destaca "A Brigada Jovem de Literatura".
Criado em 1981, este movimento editou uma publicação literária intitulada Aspiração da qual saíram apenas alguns números. Abrindo as portas a um novo período da literatura angolana - o da Renovação - este movimento tentava assim responder às expectativas dos responsáveis oficiais, que, face à incapacidade de resposta no que diz respeito à literatura, em sede universitária, procuravam motivar e interessar a juventude para a "coisa" literária.
Começando por recorrer a uma escrita profundamente engagée, fruto da euforia revolucionária do período imediato à independência, os seus textos refletiam um total alinhamento político e ideológico face ao poder estabelecido. Profundamente marcados pelas teses literárias neorrealistas angolanas dos anos 50, este movimento, quantitativamente fértil, nem sempre obedeceu a critérios de qualidade.
Muitos foram os nomes que integraram esta Brigada Jovem de Literatura (BJL), dos quais destacamos, entre muitos outros, os seguintes: António Panguila, Jonh Bella, Fernando Kafukeno, António Gonçalves, Luís Kandjimbo, etc.
Como referenciar: Porto Editora – Brigada Jovem de Literatura de Angola na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-11-29 17:39:40]. Disponível em