Cancioneiro

Coletânea poética individual ou coletiva, organizada pelo próprio autor, como, por exemplo, o cancioneiro religioso Cantigas de Santa Maria (embora, neste caso, seja complexa a noção de autoria), ou organizada por um compilador anónimo ou não, como os cancioneiros da Ajuda, da Vaticana, da Biblioteca Nacional e o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Estudos sobre a estrutura dos cancioneiros da Ajuda, da Vaticana e da Biblioteca Nacional revelaram que na génese da compilação dos cancioneiros profanos galego-portugueses existiu um processo pelo qual uma coleção de rolos de poemas individuais (como os de Martin Codax e de D. Dinis) eram posteriormente reunidos numa coletânea mais vasta, onde a disposição das composições era feita hierarquicamente por trovadores e por géneros. Quanto aos cancioneiros como o de Garcia de Resende e os do século de ouro espanhol, o critério de seleção é menos rigoroso, aceitando o compilador todo o material, independentemente do autor ou da origem das composições. Em ambos os casos, o compilador está situado no ponto de chegada do desenvolvimento da escola poética, fornecendo o cancioneiro uma sistematização e fixação histórica de uma transmissão já amplamente efetuada por via oral.
Como referenciar: Porto Editora – Cancioneiro na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-21 10:07:50]. Disponível em