Cantiga de mestria

Predominante nas cantigas de amor dos trovadores galego-portugueses, a cantiga de mestria é uma composição que se caracteriza pela ausência de refrão, como a cantiga seguinte onde D. Dinis critica o convencionalismo da inspiração poética de modelo provençal:
Quer'eu en maneyra de proençalfazer agora hun cantar d'amore querrey muyt'i loar mha senhor,a que prez nem fremusura non fal,nen bondade, e mays uos direy en:tanto a fez, Deus comprida de bemque mays que todas las do mundo ual. Ca mha senhor quiso Deus fazer talquanto a fez, que a fez sabedorde todo bê e de mui grã ualore cõ tod'est [o] é mui comunal,aly hu deue; er deu-lhi bõ seme des y nõ lhi fez pouco bem,quando nõ quis que l'outra foss'igual. Ca en mha senhor n'ca Deus pos mal,mays pos hi prez e beldad' e loore falar mui bê e riir melhorque outra molher; des y é lealmuyt', e por esto nõ sey oi' eu quêpossa compridamête no seu bêfalar, ca nõ á tra lo seu bem, al.(D. Denis, CBN 485)
Como referenciar: Cantiga de mestria in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-24 06:39:46]. Disponível na Internet: