Capela dos Ossos

No Convento de S. Francisco de Évora, o antigo dormitório dos frades franciscanos foi readaptado no século XVII a "casa dos ossos", dependência devocional particular desta ordem mendicante. De facto, a denominada Capela dos Ossos correspondia à sala de meditação e de recolhimento dos franciscanos, constituindo-se, presentemente, como uma curiosa e macabra atração turística.

Os esqueletos, espetros do outro mundo que revestem quase integralmente as paredes e colunas desta dependência conventual, são uma alusão simbólica à efémera e frágil existência humana - inscrevendo-se no universo espiritual de celebração da morte que foi marcante durante a época barroca.

Com efeito, a cenografia fúnebre, que preenche o espaço da Capela dos Ossos, afirma enfaticamente o gosto do homem barroco pelo macabro e pela necrofilia. Ao mesmo tempo, traduz a necessidade de meditação sobre a transitoriedade do mundo material - simbolismo reforçado pela visualização das ossadas e das caveiras dos defuntos.

Este misticismo funéreo plasma-se com maior projeção no Sul do país, onde existem outros exemplares de capelas de ossos, nomeadamente em Campo Maior, Monforte e Faro.


Como referenciar: Capela dos Ossos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-19 05:29:20]. Disponível na Internet: