Capital Inicial

Banda rock brasileira fundada em 1982, em Brasília. A rebeldia dos jovens irmãos Fê (bateria) e Flávio Lemos (baixo), antigos membros do projeto Aborto Elétrico, despertou neles a vontade de criar uma banda e, de certa forma, imitar os seus ídolos de então, outros agrupamentos marcados pela irreverência, como os Sex Pistols, The Clash, Ramones ou os Dead Kennedys. À dupla de irmãos, juntaram-se Renato Russo e o guitarrista Loro Jones, com experiência anterior no projeto Blitz 64. Este quarteto criou as bases do que viriam a ser os Capital Inicial, com a escolha de Dinho Ouro-Preto para os vocais, já em 1983. A estreia em palco aconteceu em julho desse ano, na sua terra natal, seguindo-se, nesse mesmo ano, atuações relevantes no Pompéia, de São Paulo, e no Circo Voador, do Rio de Janeiro. O ritmo de atuações multiplicou-se rapidamente, levando a banda a percorrer os principais destinos do underground brasileiro, com constantes viagens, principalmente ao Sudeste brasileiro, onde parecia situar-se grande parte dos seus admiradores. No final de 1984, mesmo antes de se mudarem para São Paulo, assinam o primeiro contrato discográfico com a CBS. O primeiro registo, ainda em formato single de vinil, foi editado em 1985. Com alguma surpresa, ainda nesse ano, integram o rol de convidados de banda sonora do musical Areias Escaldantes (1985), realizado por Francisco de Paula, ao lado de alguns consagrados como os Titãs, Lulu Santos ou Ira!. O longa-duração de debute, com título homónimo, chegaria às lojas em 1986, com o selo da Polygram e incluía alguns temas que viriam a tornar-se clássicos dos Capital Inicial. Entre eles, destacava-se "Psicopata" ou "Veraneio Vascaína", trecho censurado pela Polícia Federal. A boa aceitação do álbum render-lhes-ia o primeiro Disco de Ouro da sua carreira. O segundo viria no ano seguinte, com a edição do segundo álbum. Os Capital Inicial conquistavam um lugar de destaque no seio do rock brasileiro e, a prová-lo, seriam convidados para abrir, ainda nesse ano, os concertos de Sting em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.

A onda de popularidade do grupo seria reforçada com outras edições discográficas, culminando na elogiada participação no Hollywood Rock de 1990, dividido entre São Paulo e o Rio de Janeiro. No ano seguinte, depois da mudança para a BMG, ficou célebre a versão do clássico "The Passenger", de Iggy Pop, incluída no primeiro álbum gravado para o novo selo. Ainda nesse ano, integram o programa da segunda edição do Rock in Rio. Os anos de 1992 e 1993 ficaram marcados por algumas divergências no seio do grupo e Bozzo Barretti, primeiro, e Dinho Ouro Preto, depois, abandonam o projeto. A banda sobrevive, contratando Murilo Lima (ex-Rúcula) para os vocais e lança dois títulos: Rua 47 (1994), por uma etiqueta própria, e Ao Vivo (1996), pela Rede Brasil Discos. O reduzido impacto destes discos levou a banda a um período de retiro e, durante cerca de cinco anos, poucas foram as notícias dos Capital Inicial, gerando-se uma forte onda especulativa em torno do fim do projeto. Mas, mesmo longe dos holofotes do mediatismo, a atividade da banda em palco nunca cessou, embora tivesse passado por uma crise notória, em paralelo com o afastamento do público brasileiro em relação às sonoridades do rock. A viragem sucederia em 1998, com a edição de um best of do grupo a trazê-los, de novo, para as ondas da rádio. O estímulo dos fãs ajudou à decisão de Dinho, Loro, Fê e Flávio, os quatro fundadores da banda, regressarem aos palcos. O espéctaculo comemorativo dos quinze anos dos Capital Inicial tem grande êxito. Em julho desse ano, assinam com a April Music e gravam Atrás dos Olhos que lhes renderia cinco prémios MTV Brasil. O impacto comercial não abrandou, no ano seguinte, com a edição da gravação ao vivo de um concerto acústico para o MTV. Daí em diante, a segunda vida dos Capital Inicial mostrou um percurso de êxito comercial e o regresso à carteira da Sony BMG. Depois de dois álbuns com enorme impacto comercial, a banda realiza um sonho antigo: regravar temas dos Aborto Elétrico, o projeto que esteve na base da criação do conjunto. Tal edição chegou às lojas em 2005.

Discografia 1986, Capital Inicial
1987, Independência
1988, Você Não Precisa Entender
1989, Todos os Lados
1991, Eletricidade
1994, Rua 47
1996, Ao Vivo
1998, O Melhor do Capital Inicial
1998, Atrás dos Olhos
2000, Acústico MTV - Capital Inicial
2002, Rosas e Vinho Tinto
2004, Gigante!
2005, MTV Especial - Aborto Elétrico

Como referenciar: Capital Inicial in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 11:12:32]. Disponível na Internet: