Carl Michael Bellman

Poeta e cançonetista sueco, Carl Michael Bellman nasceu a 4 de fevereiro de 1740, em Söder, nos arredores de Estocolmo. Oriundo de uma família respeitável da classe média, era filho de um secretário dos gabinetes reais e neto materno de um padre. Educado numa escola privada, empreendeu também estudos por algum tempo na Universidade de Uppsala.
Embora já tivesse publicado poemas, embriagou-se seriamente pela primeira vez em 1759. Perdeu um emprego no Banco Nacional aos vinte e três anos, por se ter endividado, pelo que fugiu aos credores para a Noruega.
O seu pai, em parte devido ao escândalo, abandonou o seu cargo, vendeu a casa onde a família havia vivido durante vinte anos e mudou-se, primeiro para Årsta, logo para Visbohammar. De regresso à Suécia, começou a escrever canções de embriaguez (bastante populares nos hábitos conviviais desse país). Nos finais da década de 60, Bellman tornou-se célebre pelas suas canções e paródias bíblicas que, circulando de boca em boca e através de panfletos, deliciavam a cidade de Estocolmo. Em 1765, e após a morte dos pais, a parte da propriedade que lhe coube em partilhas foi arrebatada pelos seus credores.
No ano seguinte, Bellman fundou a 'Bacchi Orden' (a Ordem de Baco) que, parodiando as ordens de cavalaria tão em voga na altura, celebrava as alegrias do vinho, sendo os seus membros bons bebedores que haviam perdido o seu emprego.
Ligando-se à corte do rei Gustavo III, patrono confesso das artes, não conseguiu fazer desbotar o anátema que o considerava um comediante reles, sendo por isso desprezado. Apaixonando-se por Wilhelmina Norman, viu o seu amor desvanecer-se quando a sua família se opôs ao casamento. Acabou, no entanto, por casar em 1777 com Lovisa Fredrika Grönlund, de quem teve quatro filhos.
Em 1779 foi nomeado funcionário do governo na Real Casa das Lotarias. Não obstante o reconhecimento e apoio financeiro do Rei, Bellman nunca conseguiu ser aceite nos meandros da corte, já que teimava não só em relembrar as classes mais desfavorecidas de Estocolmo, como tornava, pelas suas paródias bíblicas, impossível o convívio com o clero.
A partir de 1765 começou a escrever uma série de canções, as Fredman Epistlar, que publicou em 1790. Lançou, em 1783, Bacchi Tempel, obra composta principalmente por canções de embriaguez. Em 1794 começou a escrever a sua autobiografia, que não chegou a terminar, talvez devido ao facto de, nesse ano, ter sido condenado à prisão por dívidas não pagas a um tal Enoch Nobelius, de quem diziam ter querido vingar-se pelo facto de não ter obtido as atenções da esposa de Bellman. Libertado ao cabo de dez semanas pela ajuda dos seus amigos, tinha já arruinado a sua saúde, pelo que faleceu de tuberculose a 11 de fevereiro de 1795.
As suas peças de teatro foram publicadas postumamente, tendo sido a sua obra redescoberta e extensamente publicada em várias alturas do século XX.
Como referenciar: Carl Michael Bellman in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-02-22 10:45:42]. Disponível na Internet: