Carlinhos Brown

Músico brasileiro, António Carlos Santos de Freitas nasceu em 1962 na comunidade baiana de Candeal Pequeno, no Brasil. Ainda em tenra idade, tem aulas de música com Osvaldo Alves da Silva, conhecido como o Mestre Pintado do Bongô, que havia de ser o seu principal mentor musical. O mestre ensina o menino Carlos na nobre arte de tocar instrumentos, chamando-o à sua companhia nas festivas noites dos bares noturnos de Salvador na década de 70. Aos poucos, Carlos expande-se artisticamente, começando a participar em festivais de colégios, como autor e compositor, o que despertou a curiosidade pela sua busca de novos sons. É nas ruas que ganha a alcunha de Carlinhos Brown, graças à sua afeição ao ícone da soul americana. As raízes da sua música estão nos batuques, nos sopros e nas canções de rua do Candeal.
No início dos anos 80, dando seguimento à sua veia de descobridor e experimentador, Carlinhos Brown aprende técnicas de sonorização e produção nos estúdios WR. Os seus dons musicais vão-se aperfeiçoando e, em 1985, o músico vence o Troféu Caymmi, o galardão mais significativo da música baiana, por ter mais de vinte e seis músicas com airplay nas rádios locais. É ainda no começo dos anos 80 que o jovem Carlos conquista alguma notoriedade nacional, muito à custa da colaboração com a banda de Luiz Caldas, um veículo proeminente de divulgação da música axé. A consagração definitiva, depois de ter tocado para Caetano Veloso, foi ver o próprio Caetano a gravar a sua canção "Meia-Lua Inteira", que havia de gerar uma onda nacional de entusiasmo. Depois disso, a escalada do sucesso torna-se imparável. Nomes como João Gilberto, João Bosco, Djavan convidam-no para integrar as suas bandas. Outros, ainda, gravam composições suas ou aceitam a sua produção sonoplástica. Nesse rol incluem-se Maria Bethânia, Gal Costa, Cássia Eller, Nado Reis, Arnaldo Antunes, Margareth Menezes, Daniela Mercury, Herbert Vianna, Marisa Monte e mesmo a banda de heavy metal Sepultura.
A projeção internacional seria a etapa seguinte. "Brasileiro" (1985), álbum de Sérgio Mendes que venceria o Grammy de melhor disco de World Music, tinha cinco músicas compostas por Carlinhos Brown. É também nesse trabalho que apresenta o seu primeiro projeto musical, o grupo Vai Quem Vem, composto por jovens percussionistas do Candeal. A expansão internacional prossegue em gravações, produções e/ou parcerias com Lee Ritenour, Bill Laswell, Wayne Shorter, Jovanotti, Angelique Kidjo e Miyazawa Kazufumi. Por esta altura, Carlinhos Brown já tinha também alargado as suas influências a outros palcos, vencendo prémios pelas suas composições para peças de bailado, para cinema e televisão. O apoio permanente à música, à sua divulgação e generalização leva-o a fundar outros grupos musicais como o Bolacha Maria, ensemble feminino de percussão, e o Hip Hot Roots formado por jovens do Candeal instruídos pelo próprio Brown. De entre os inúmeros projetos em que se envolve, merece ainda uma nota de destaque o conceito Timbalada, já com nove álbuns gravados, todos produzidos por Brown. Mas a consciência humanista não se esgota nestes registos, o músico envolve-se permanente em iniciativas de apoio aos jovens desfavorecidos, incentivando-os a seguirem o sonho da música. O projeto social de urbanização "Tá Rebocado", construído no Candeal, recebeu em 2002 o reconhecimento das Nações Unidas.
O reconhecimento do estilo único de Brown, com o cuidado no primor da técnica e da produção, está bem patente nos seus registos discográficos mais relevantes. "Alfagamabetizado", lançado em 1996, foi o primeiro da carreira a solo e juntava aos transformismos das suas criações, a simplicidade da voz. Seguiu-se-lhe, dois anos depois, "Omelete Man", uma miscelânea curiosa de estilos musicais, com temperos dos quatro cantos do mundo. "Bahia do Mundo - Mito e Verdade" (2001) levava os ecos da Bahia ao mundo, na voz dos seus conterrâneos.
Em 2002, na companhia de Arnaldo Antunes e Marisa Monte, surge no projeto Tribalistas. O disco homónimo tem um sucesso assinalável no Brasil, em Espanha, em Itália e em Portugal e demonstra a frescura e a recorrente inovação da nova geração da MPB.
"Carlito Marrón" surgiu em 2003 e marcava uma incursão pela atmosfera da música latina das Caraíbas, sempre com o sublinhado carnavalesco do músico baiano. Uns anos mais tarde, o músico é convidado a participar na banda sonora do filme "El Milagro de Candeal", de Fernando Trueba, película inspirada nas viagens do pianista cubano Bebo Valdés à Bahia, onde tomou contacto com a peculiaridade de uma comunidade que deve muito a Carlinhos Brown, um dos seus filhos mais dedicados.
Como referenciar: Carlinhos Brown in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 16:11:08]. Disponível na Internet: