Casimiro de Abreu

Escritor brasileiro, Casimiro José Marques de Abreu nasceu a 4 de janeiro de 1839, na fazenda de Indaiaçu, em Barra de São João, no Estado do Rio de Janeiro (Brasil).
Filho de um português comerciante e fazendeiro, Casimiro de Abreu, entre os 11 e 13 anos, estudou Humanidades, no Instituto Freeze, em Nova Friburgo, abandonando os estudos, em 1852, para se dedicar ao comércio, por vontade do pai, atividade essa que lhe desagradava e que o deprimiu. Partiu para Lisboa, em 1853, e aí permaneceu até 1857.
Na capital portuguesa, começou a sua carreira literária, escrevendo a maior parte da sua poesia e compondo a peça dramática Camões e o Jau (1856) que estreou, nesse mesmo ano, no Teatro D. Fernando. Colaborou com a imprensa portuguesa, ao lado de Alexandre Herculano, Rebelo da Silva, entre outros, onde publicou, em folhetins, o romance Carolina (1856) e os primeiros capítulos do romance Camila (1856).
Em 1857, regressou ao Rio de Janeiro, onde frequentava as rodas literárias e colaborava com a imprensa, como em A Marmota, O Espelho, Correio Mercantil e Revista Popular. Em 1859, publicou o seu livro de poesias As primaveras, cuja impressão foi custeada pelo pai, que faleceu um ano depois, vítima de tuberculose. O escritor, doente também de tuberculose, foi para Nova Frigurgo, na procura de um tratamento e de um clima propício para as suas melhoras.
A 18 de outubro de 1860, Casimiro de Abreu faleceu em Indaiaçu (atual município Casimiro de Abreu, que adotou o nome do escritor, em 1925), seis meses depois da morte do pai e três meses antes de completar 22 anos. Por escolha de um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, Casimiro de Abreu é patrono da cadeira n.º 6.
A sua atual popularidade literária deve-se ao facto de o escritor (que se situa na 2.ª Geração do Romantismo) utilizar, num lirismo romântico, uma linguagem simples, cativante e espontânea, com a qual aborda as temáticas mais comuns desse movimento, tais como a nostalgia da infância, a saudade do país natal, o gosto pela natureza, a devoção à pátria, a religiosidade e a idealização da mulher amada.
Como referenciar: Casimiro de Abreu in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-24 06:38:50]. Disponível na Internet: