Artigos de apoio

Cássia Eller

Cantora brasileira, Cássia Rejane Eller nasceu a 10 de dezembro de 1962, no Rio de Janeiro. Desde muito nova habituada a migrações pelo Brasil, por força da carreira militar do pai, a jovem Cássia seria presenteada, aos 14 anos, com uma guitarra. Passando pelo natural processo de aprendizagem do instrumento, Cássia viria a desenvolver o gosto pela música e a despertar para um percurso iniciado em Brasília, com as primeiras aparições públicas, em grupos corais locais. Também por essa altura, a cantora estudou canto lírico, desenvolvendo as suas competências e isso viria a permitir-lhe uma participação em espetáculo, ao lado de Oswaldo Montenegro. Com a mudança para São Paulo, em 1989, o trajeto artístico de Cássia Eller conheceria um novo impulso. É na cidade paulista que grava a sua primeira fita demo. A cassete chamaria a atenção da Polygram, com quem assinou o primeiro contrato discográfico, em 1990. O primeiro longa-duração, de título homónimo, chegaria às lojas ainda nesse ano. O disco incluía, além de uma versão de "Eleanor Rigby", dos Beatles, o tema "Por Enquanto", de Renato Russo, o primeiro êxito da cantora. Além da promoção do álbum, o estatuto da cantora na comunidade rock ficaria confirmado na digressão conjunta com o guitarrista Victor Biglione, cujo repertório se centrava essencialmente em clássicos dos blues. Essa afinidade com o rock seria um denominador comum no segundo álbum de Cássia Eller, lançado em 1992. O Marginal, além de mostrar uma Cássia Eller orgulhosamente irreverente, confirmou a sua propensão para revestir alguns clássicos com tons de modernidade (o álbum continha duas canções de Jimi Hendrix) e para impor um registo vocal contralto pouco comum no orbe musical brasileiro. O álbum atingiria marcas comerciais relevantes, trazendo Cássia Eller para um protagonismo que ela não previra. Nesta época acontecem os primeiros problemas de alcoolismo e de drogas, algo que iria acompanhar a cantora nos anos seguintes do seu percurso.

Mais apreciadora dos palcos do que do estúdio, Cássia Eller deixava uma impressão forte nas atuações ao vivo, sempre marcadas pela rebeldia e energia. Sem medo de repercussões mediáticas, Cássia Eller assumiu a sua homossexualidade, tornando pública a união de facto com a sua companheira, Maria Eugénia Vieira Martins. Afirmando-se claramente como intérprete (de todas as canções do seu repertório escreveu apenas duas: "Eles" e "O Marginal") e não compositora, tornar-se-ia evidente a afinidade artística com Cazuza. Homenageou-o com o álbum Veneno Antimonotonia, editado em 1997, integralmente preenchido com composições de Cazuza. Com vários registos gravados ao vivo, Cássia teve enorme sucesso comercial com o disco acústico gravado para a MTV. Mais de meio milhão de cópias vendidas tornaram-no o mais bem-sucedido registo do seu percurso.

Faleceu a 29 de dezembro de 2001, alegadamente por força de uma paragem cardiorrespiratória. A hipótese de overdose chegou a ser ventilada, mas viria a ser descartada pelo apuro pericial das autoridades brasileiras.
Discografia
1990, Cássia Eller
1992, O Marginal
1994, Cássia Eller
1996, Cássia Eller Ao Vivo
1997, Veneno AntiMonotonia
1998, Veneno Vivo
1999, Com Você... Meu Mundo Ficaria Completo
2001, Acústico MTV
2002, Dez de dezembro (Póstumo)
2006, Rock In Rio Ao Vivo

Como referenciar: Cássia Eller in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-07-23 12:32:23]. Disponível na Internet: