Castelo Perigoso

Manuscrito alcobacence do século XV que compreende sete tratados de espiritualidade, o primeiro dos quais dá título ao códice. Trata-se de uma versão de uma obra escrita por um monge cartuxo, Frei Roberto, na segunda metade do século XIV, que, alargando o destinatário da obra à comunidade cristã, parte da alegoria da vida interior como um castelo que urge defender de inimigos espirituais. O castelo edificado é o coração onde Deus deve morar e é qualificado de "perigoso" porque "sobre os outros é forte de guardar e pirigoso de teer" (cap. XXIII). A partir desta alegoria desenvolve-se toda uma retórica metafórica que explora os motivos do castelo: local elevado, alicerces, fortaleza de menagem, porteiro, torre principal, etc., conjugando-os com temas espirituais. O objetivo da obra é exortar a todos que "desejem e trabalhem cada dia ordenar de seu coraçom û castelo assi dino e tam forte e tam fremoso que o Filho de Deus, Rei da Glória, se contente decer e morar em ele como em sua própria casa. [...]" (cap. LXVI).
Como referenciar: Castelo Perigoso in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-11 17:45:43]. Disponível na Internet: