Catedral de Reims

A Catedral de Notre-Dame de Reims, iniciada em 1211 pelo arcebispo Aubrey de Humbert (no local onde já existia uma pequena igreja consagrada à Nossa Senhora de Reims) e terminada em 1516, foi a igreja escolhida para celebrar a coroação dos reis franceses, portanto, a sua conceção artística tem de estar em sintonia com a importância simbólica de que foi revestida. Tal como as grandes catedrais francesas suas contemporâneas, a igreja apresenta uma acentuada verticalidade e uma preocupação pela transparência, deixando para trás a horizontalidade das igrejas românicas.
Relativamente à Catedral de Notre-Dame apresenta algumas diferenças apesar de ter sido construída apenas algumas décadas depois. Os pórticos são projetados para o exterior como alpendres encimados por gabletes e janelões por cima de portas, a substituir os tímpanos. Na sua decoração destacam-se nomeadamente a galeria de esculturas régias, uma faixa horizontal entre portais e a rosácea de Notre-Dame elevada até se fundir com a arcada superior. Todos os elementos construtivos foram estreitados, com exceção da rosácea, pois a verticalidade pretendida tinha na sua estrutura uma altura desproporcionada em relação ao cumprimento, o que se salientava ainda mais com a adoção de pináculos.
A catedral foi seriamente danificada durante a Primeira Guerra Mundial, tendo sido alvo de reconstrução que só terminaria em 1937.
Juntamente com a antiga abadia de Saint-Remi e o palácio de Tau, em Reims, faz parte de um conjunto monumental classificado Património Mundial pela UNESCO (1991).
Como referenciar: Catedral de Reims in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 05:42:20]. Disponível na Internet: