Celorico da Beira


Aspetos Geográficos
O concelho de Celorico da Beira, do distrito da Guarda, é limitado a norte pelo concelho de Trancoso, a nordeste pelo de Pinhel, a este pelos da Guarda, a sul pelo da Guarda e de Gouveia e a oeste pelo de Fornos de Algodres. É banhado pelo rio Mondego.
Este concelho tem uma área de 247,2 km2 e possui 22 freguesias, algumas das quais enquadradas no Parque Nacional da Serra da Estrela: Açores, Baraçal, Cadafaz, Carrapichana, Casa do Soeiro, Cortiçô da Serra, Forno Telheiro, Lajeosa do Mondego, Linhares, Maçal do Chão, Mesquitela, Minhocal, Prados, Rapa, Ratoeira, Salgueirais, Santa Maria de Celorico, São Pedro de Celorico, Vale de Azares, Velosa, Vide Entre Vinhas e Vila Boa do Mondego. Em 2005, o concelho apresentava 8788 habitantes.
O natural ou habitante de Celorico da Beira denomina-se celoricense.

História e Monumentos
Um dos monumentos mais importantes é o castelo. Remonta à época da ocupação romana e encontra-se rodeado pelo centro histórico da vila de Celorico da Beira. Foi restaurado no tempo de D. Dinis e em 1940.
Outros pontos de interesse são a Igreja de Santa Maria, onde é possível distinguir quatro épocas distintas - a fachada data do século XIII -; a Igreja de S. Pedro, fundada pela Ordem dos Templários no século XIII; a Igreja da Misericórdia, edifício em estilo barroco do século XVIII; a Igreja Matriz de N. Sra. da Assunção, em estilo românico; o solar de Corte-Real, edifício barroco, construído no século XVIII, e a Necrópole de S. Gens, formada por um conjunto de 20 sepulturas escavadas na rocha. É ainda de destacar o Museu do Agricultor e do Queijo, onde se pode ver a arte da produção do Queijo da Serra da Estrela.

Tradições, Lendas e Curiosidades
As principais festas e feiras do concelho são: as festas da vila, na última quinzena de junho; a festa do emigrante, no dia 10 de agosto; a festa de Santa Eufémia, a 16 de setembro; a festa anual dos produtores de Queijo da Serra da Estrela, na época do Carnaval; a feira do artesanato, durante todo o mês de fevereiro; a feira de S. Lourenço, a 10 de agosto; a feira quinzenal do queijo, realizada às sextas-feiras e a feira do livro de Celorico da Beira, em abril, entre outras.
O feriado municipal é no dia 23 de maio.
As Armas do Brasão de Celorico da Beira estão fundamentadas em duas lendas: uma é referente a um combate durante a noite, cuja claridade fora do vulgar permitiu a vitória, e a outra é a chamada "a lenda da truta", que teve lugar no ano de 1246, em que o Castelo de Celorico, fiel a D. Sancho II, foi cercado por D. Afonso III; resistindo ao cerco, a fome espalhou-se pela defesa do castelo; uma águia que deixou cair no recinto do castelo uma truta que levava no bico, deu uma grande ideia ao alcaide do castelo: mandou cozinhar a truta e ofereceu o repasto de presente a D. Afonso III; a truta levava uma mensagem, dizendo que dentro do castelo estavam providos de mantimentos e que poderiam resistir durante muito mais tempo, o cerco foi levantado e o castelo foi salvo.
Realiza-se todos os anos, na primeira semana de agosto, o "Open de Parapente da Serra da Estrela".
O artesanato desta região é composto por trabalhos em madeira, de cestaria e de latoaria.

Economia
A região de Celorico da Beira é tradicionalmente ligada às atividades agrícolas, nomeadamente às que estão ligadas à produção de queijo e à silvicultura. Fazem parte do concelho pequenas indústrias de têxteis e de lanifícios. O turismo e o artesanato também contribuem para o desenvolvimento económico da região.
Como referenciar: Celorico da Beira in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-09 19:48:03]. Disponível na Internet: