Checoslováquia

Antigo estado da Europa Central, a Checoslováquia formou-se em consequência da desagregação do Império Austro-Húngaro em 1918. A Boémia, a Morávia e a Eslováquia uniram-se para formar o novo estado independente a 28 de outubro de 1918. Pode considerar-se herdeira da Grande Morávia, um estado que foi cristianizado no século IX e que no século X caiu sob o poder dos Magiares.
Parte do território foi anexada pela Alemanha em 1938. Após a Segunda Guerra Mundial, o país ficou na órbita da União Soviética; a oposição foi abafada enquanto a indústria se nacionalizava e a agricultura era coletivizada. Nos anos sessenta transformou-se numa república popular comunista. A economia foi-se deteriorando e Alexander Dubcek, líder comunista, passou a secretário-geral em 1968. Instituiu um programa de reformas mais aberto, a que chamou socialismo mais humano. Esta atitude encorajou os outros partidos a restaurarem as liberdades individuais. Em agosto de 1968, as forças do Pacto de Varsóvia invadiram o país, que voltou a viver em conformidade com as normas do bloco soviético. Os anos setenta e oitenta foram prósperos, mas também repressivos. Deixou de fazer parte do Bloco de Leste em 17 de novembro de 1989, transformando-se, em 1990, em República Checa e Eslováquia, passando estas a estados independentes em 1 de janeiro de 1993.
Como referenciar: Checoslováquia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-26 22:31:02]. Disponível na Internet: