Chicago (filme)

Baseado numa peça musical da Broadway galardoada com diversos Tonys e de autoria de Bob Fosse, este filme, realizado em 2002, por Rob Marshall, relata o ambiente da época que ficou conhecida por "loucos anos 20". A protagonista é Roxie Hart (Renée Zellwegger), uma dona de casa casada com Amos (John C. Reilly), um mecânico que tem por ela uma devoção canina. Roxie aspira a tornar-se uma estrela do vaudeville e torna-se amante de Fred Cassely (Dominic West), que promete arranjar-lhe uma oportunidade para trabalhar no mundo do espetáculo. Roxie assiste ao número musical de Velma Kelly (Catherine Zeta-Jones) na noite em que esta é presa por ter assassinado o seu marido e a sua irmã a quem surpreendera a manter relações sexuais. Na mesma noite, Roxie alveja e mata Fred por ter descoberto que este havia mentido na sua pretensão em fazer dela uma estrela. Amos inicialmente assume as culpas do homicídio, mas quando descobre que a sua mulher lhe havia sido infiel, denuncia a esposa à Polícia. Na prisão é colocada na "ala das assassinas" e conhece Velma, que vive rodeada da atenção da imprensa, muito devido à ação do seu advogado, considerado o melhor causídico de Chicago: Billy Flynn (Richard Gere). Roxie trava amizade com a carcereira Mama Morton (Queen Latifah) que em troca de um pagamento lhe arranja um encontro com Flynn. Este aceita defendê-la e transforma o seu processo num caso mediático, chamando a atenção dos tabloides de escândalos que aos poucos constroem uma aura de inocência em relação à figura de Roxie, atribuindo o homicídio de Fred a uma situação de legítima defesa. A popularidade de Roxie aumenta quando esta, para sensibilizar a opinião pública, inventa uma falsa gravidez. O seu julgamento acaba por ser uma feira de vaidades quando Flynn decide utilizar métodos pouco ortodoxos para provar a inocência de Roxie. Depois de obter a liberdade, Roxie descobre que a fama é algo efémero e que as portas do mundo do espetáculo se lhe fecham continuamente, situação que se modifica quando Velma a convida para fazer um dueto. Este foi o primeiro filme de Rob Marshall enquanto realizador, embora tenha tido uma larga experiência como coreógrafo. Não obstante, Chicago foi um sucesso à escala mundial, tal como O Brother Where Art Thou? (Irmão, Onde Estás?, 2000) e Moulin Rouge (2001), filmes que vieram ressuscitar um género de filme musical que entrara em declínio nas décadas de 80 e de 90. Os pontos mais altos do filme são sem dúvida as canções, todas elas interpretadas pelos atores (sem dobragens ou sobreposições de voz). Neste campo, Catherine Zeta-Jones rouba as atenções com canções como "All That Jazz" (com uma coreografia magnífica) e "Cell Block Tango", mas Gere e Zellwegger também deslumbram em "We Both Reached for the Gun", bem como o inusitado número de sapateado protagonizado por Gere. John C. Reilly também se mostrou seguro em "Mister Cellophane". Todas estas músicas foram compostas por John Kander, colaborador próximo de Bob Fosse em Cabaret (1972). Chicago foi o grande vencedor da noite dos Óscares. Nomeado para treze galardões, venceu em seis categorias: Melhor Filme, Montagem, Som, atriz Secundária (Catherine Zeta-Jones), Guarda-Roupa e Direção Artística.
Como referenciar: Chicago (filme) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 01:50:16]. Disponível na Internet: