ciclo dos catiões biogénicos

Os elementos químicos nutritivos carbono, oxigénio, azoto, enxofre e hidrogénio formam por si só a quase totalidade da matéria dos seres vivos. Contudo, os seres vivos não podem viver se não possuirem quantidades suficientes de certos catiões, como o potássio, o magnésio e o cálcio, que pertencem ao grupo dos polinutrientes minerais, necessários em grande quantidade. Outros elementos - como o zinco, o cobre, o cobalto, o boro, o molibdénio, o vanádio e o anião de cloro - são necessários em quantidades ínfimas, denominando-se oligonutrientes.
Alguns destes elementos não são necessários aos animais e outros não são necessários às plantas. Por exemplo, o sódio raramente é indispensável para as plantas mas é absolutamente necessário aos animais.
Em terra firme, a fonte de catiões biogénicos é fundamentalmente o solo, que os recebe em consequência da erosão das rochas-mãe. Absorvidos pelas raízes, os catiões são distribuídos pelos diferentes órgãos vegetais, tendendo a acumular-se nas folhas. Estas servem para a alimentação dos herbívoros, entrando assim nas cadeias alimentares dos consumidores.
A mineralização dos cadáveres e dejetos reconduz os catiões biogénicos ao solo, onde são absorvidos pelas raízes. Desta forma, o ciclo pode continuar.
Como referenciar: Porto Editora – ciclo dos catiões biogénicos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-28 20:33:33]. Disponível em