ciência

A palavra ciência tem sofrido diversas interpretações ao longo dos séculos à medida que o Homem tem procurado conhecer o inacessível mistério do Mundo e de si mesmo.
Através da experiência e do erro, da aventura e da formulação de hipóteses, o ser humano vai construindo lentamente pontes que o levam do conhecido para o desconhecido.

De descoberta em descoberta, de invenção em invenção, inseridas e controladas por todas as circunstâncias - sociais, políticas, éticas e económicas -, as estruturas do conhecimento vão-se multiplicando e complexificando. A ciência vai-se adaptando e evolui. As componentes teóricas, ou seja, um conjunto de conhecimentos e de conceitos, de protocolos experimentais e técnicos, necessários à ciência, vão-se construindo.

Nesse mundo dualista, res extensa e res cogita, a ciência vai-se precisando e dividindo e vai-se também distinguindo de outras atividades, pelo reforço da razão, da lógica e da experiência. Introduz o método "claro e evidente". Por ela, o conhecimento vai crescendo, ignorando os números e centrando-se nos fenómenos.
Coisifica-se e admite como único conhecimento o empírico-experimental.

A ciência formula o método e fecha-se completamente.
É o absolutismo científico, para o qual as Ciências Humanas e as Ciências do Comportamento não são consideradas científicas, embora seja no século XIX - o século do cientismo - que elas se identificam e se desenvolvem.

Devido à complexidade das Ciências Humanas, é mais difícil aplicar-lhes o método experimental, muito embora este contenha, ainda hoje, problemas cruciais na sua construção, como seja o da indução, o da demarcação, cujo critério é o da falsificabilidade, bem como problemas de empirismo, de objetividade científica e de comunicação subjetiva, como diz Popper.
O conhecimento científico releva de partes do conhecimento do senso comum, ao qual atribui um método e uma terminologia.

"A ciência é igualmente complexa porque inseparável do seu contexto histórico-social. A ciência moderna conseguiu apenas emergir na efervescência cultural do Renascimento e desde então associa-se progressivamente à técnica, tornando-se tecnocientífica e introduzindo-se progressivamente no seio das universidades, das sociedades, das empresas, dos Estados, transformando-os e deixando-se transformar, por sua vez, pelo que transformava...A sua realidade é multidimensional. Assim, a ciência é intrínseca, histórica, sociológica e eticamente complexa. É de esperar que as transformações que começaram a fazer ruir a conceção clássica de ciência vão continuar a sofrer uma verdadeira metamorfose", diz Edgar Morin.

O conhecimento científico "verdadeiro", no tempo e no espaço, não significa que não esteja aberto a novas descobertas, sofrendo a evolução necessária.
A confirmá-lo, a teoria da relatividade e da física quântica, no domínio das ciências naturais. "O progresso das certezas científicas produz, pois, o progresso da incerteza", diz Edgar Morin.

A 24 de novembro, comemora-se o Dia Mundial da Ciência.
Como referenciar: ciência in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-18 18:42:23]. Disponível na Internet: