Citröen 2CV

O Citröen 2CV foi apresentado, em 1948, por Pierre Boulanger, na época diretor geral da Citröen, no Salão Automóvel de Paris. Apesar do automóvel não ter sido bem aceite pela imprensa presente, um dos aspetos que chamou mais a atenção dos presentes foi o conforto dos assentos. A ideia de construir um automóvel deste género já tinha surgido antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, mas devido a este conflito acabou por não ser lavada a cabo na altura, sendo retomada anos mais tarde.
Este automóvel foi desenhado a pensar nos trabalhadores das zonas rurais de França e nas pessoas que tinham menos possibilidades de adquirir um automóvel. O 2CV (na época, com uma velocidade máxima de 60 km/hora) foi bem aceite nas zonas rurais e também foi vendido a preços que chegaram a ser os mais baixos do mercado, no segmento em que concorria. Tendo em conta o público alvo a que se destinava, a suspensão deste automóvel foi pensada de modo a ser suficientemente flexível para transportar cestos de ovos através de um campo, sem que estes se partissem.
O seu fabrico, a nível mundial, terminou em Portugal em 1990, tendo o último modelo saído da fábrica da Citröen em Mangualde.
Como referenciar: Porto Editora – Citröen 2CV na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-16 11:43:45]. Disponível em