Claude Simon

Escritor de nacionalidade francesa nascido a 10 de outubro de 1913, em Antananarivo, a capital da Ilha de Madagáscar, e falecido a 6 de julho de 2005, em Paris. O seu pai, um oficial do exército, foi abatido um ano depois do nascimento do seu filho, logo no início da Primeira Guerra Mundial. A mãe decidiu então regressar ao seu país natal, para junto da sua família, levando consigo Claude Simon, que cresceu em Perpignan, nos Pirenéus franceses.
Terminando a escola primária, Claude Simon partiu para Paris, onde ingressou como aluno interno no Collége Stanislas. Sonhando com uma carreira naval, passou pelo Lycée Saint-Louis, mas acabou por trocar a marinha pela pintura, fazendo a sua aprendizagem com o Mestre André Lhôte, que o conseguiu encaminhar através das mais reputadas universidades britânicas, Oxford e Cambridge.
Após a estadia em Inglaterra, Claude Simon procurou viajar o mais possível, visitando países como a ex-União Soviética. De regresso, alistou-se no exército, cumprindo uma comissão entre 1934 e 1935. Envolveu-se depois no fornecimento de armas às tropas republicanas durante a Guerra Civil de Espanha. Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, regressou ao seu antigo regimento e, enquanto combatia na Batalha do Meuse, em 1940, foi capturado pelos alemães e feito prisioneiro de guerra. Conseguindo escapulir-se ao fim de algum tempo, juntou-se à Resistência Francesa. Após a guerra dedicou-se à produção vitivinícola, tornando-se também escritor.
Publicou o seu primeiro romance em 1945, com o título Le Tricheur, mas foi o aparecimento de Le Vent (1959) que lhe concedeu renome a nível internacional, talvez devido ao facto de empregar uma técnica narrativa inovadora que caracterizou a sua obra posterior, observando um acontecimento através de várias personagens. Simon passou então a ser conhecido como um representante do chamado nouveau roman.
Em 1958 surgiu L'Herbe, romance em que a ação parece ter estagnado. Desenrolando-se no período da ocupação da França pelas tropas alemãs, a obra dá grande atenção aos detalhes visuais. O volume teve uma continuação, La Route des Flandres (1960), que trata das recordações do próprio Claude Simon enquanto prisioneiro de guerra.
No ano de 1971 foi a vez de Les Corps Conducteurs, a que se seguiram, entre outras obras, Les Géorgiques (1981), inspirada no trabalho homónimo de Virgílio, e L'Acacia (1989), romance que reconta a história da sua própria família.
Claude Simon foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1985.
Como referenciar: Claude Simon in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-18 06:00:10]. Disponível na Internet: