condríctios

Classe de indivíduos com hábitos predadores que agrupa cerca de 800 espécies vivas. É um grupo antigo, grande e altamente desenvolvido. Apesar de ser mais pequeno e menos variado do que o dos peixes ósseos, a sua impressionante combinação de orgãos dos sentidos bem desenvolvidos, as potentes maxilas, a musculatura natatória e os hábitos predadores asseguram-lhe um enorme nicho na comunidade aquática. Uma das suas características específicas é o seu esqueleto cartilagínio. Apesar de alguma calcificação de onde a onde, o tecido ósseo está totalmente ausente nos indivíduos desta classe. É uma curiosa linha evolutiva já que os condríctios derivam de ancestrais com ossos bem desenvolvidos. É um grupo antigo e está representado por numerosos vestígios fósseis, especialmente dentes, escamas e raios, que suportam as barbatanas. São de todos os vertebrados vivos os mais inferiores que possuem vértebras separadas e completas, mandíbulas móveis e apêndices pares.
Apresentam geralmente pele grossa, coberta por pequenas escamas placoides com numerosas glândulas mucosas, barbatanas médias pares, suportadas por raios, e cauda heterocércica. A boca é ventral, com dentes cobertos de esmalte. Os sexos são separados e os canais reprodutores desaguam na cloaca. A fecundação é interna, sendo ovíparos ou ovovivíparos. Os ovovivíparos, como os do género Squales, têm o extremo posterior do oviducto em forma de "útero" para alojar as crias durante o desenvolvimento.
Os indivíduos do género Squelus atingem 90 centímetros de comprimento e a maior parte dos tubarões mede menos de 2,5 metros. Contudo, a espécie Carcharodon carcharias pode atingir os 6 metros, a espécie Cethorhinus maximus atinge os 12 metros e o tubarão baleia (Rhicodon typus) atinge os 18 metros de comprimento. Com exceção das baleias, são os maiores vertebrados vivos. A maior parte das raias mede de 30 a 90 centímetros de comprimento, mas o peixe-diabo (Manta birostris) atinge 5 metros de comprimento e 6 metros de largura a nível das barbatanas peitorais.
A maior parte dos tubarões parece-se com o género Squalus na sua anatomia geral. Contudo, as raias têm o corpo muito achatado, com grandes barbatanas peitorais ligadas à cabeça e ao tronco, de tal maneira que mostram um perfil de forma romboidal e de disco.
As quimeras são animais de forma grotesca e grandes olhos, habitantes do solo dos mares profundos (baixas latitudes) ou de águas pouco profundas (altas latitudes). O seu tamanho está compreendido entre os 0,5 e 2 metros. A pele não tem escamas e a mandíbula superior está completamente fundida com o crânio. As quimeras são taxinomicamente diferentes dos tubarões e das raias.
A maioria dos tubarões e das raias é marinha mas algumas raias vivem em rios ou lagos tropicais, em águas salobras ou doces. Os tubarões podem viver no mar alto e as raias no fundo, mas as mantas e as grandes raias nadam próximo da superfície.
A classe dos condríctios divide-se em duas sub-classes, a dos elasmobranquiados, que inclui os tubarões e raias, e a dos holocéfalos de que são representantes as quimeras, conhecendo-se 25 espécies.
Como referenciar: Porto Editora – condríctios na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-24 13:24:23]. Disponível em