Confissão e Defesa do Romancista

Esta conferência integra um série de textos, produzidos por Joaquim Paço d'Arcos, publicada em 1946, sob a forma de discurso, artigo ou ensaio, onde recorrentemente tenta definir a sua postura como romancista, num período particularmente ativo - a década de 40 - na discussão sobre o destino e finalidade do romance português. Formalmente condenado pela crítica neorrealista por não dar voz nos seus romances aos problemas que angustiavam a sociedade e a temáticas de natureza social, quando reproduz o trecho onde o crítico brasileiro Clóvis Ramalhete pergunta se "Num período de paixões e linhas polémicas contraditórias [...] - é possível esse ângulo quieto, desinteressado e falso da Arte pela Arte, sem traição" (p. 102), Paço d' Arcos advoga a independência do escritor face a sistemas políticos, sociais e doutrinários, considerando que a função do romancista é a de espelhar as inquietações de uma época e não de resolver os seus problemas. Neste longo depoimento sobre a dificuldade em manter uma posição de equilíbrio sob a pressão de forças doutrinárias opostas, o escritor, compreendendo que a sua posição pode ser confundida com a adoção de um cómodo "ecletismo amorfo" (p. 104), define a missão do escritor como uma "luta intransigente pela independência", onde "contar histórias" e criar beleza são tarefas bastante altas.
Como referenciar: Confissão e Defesa do Romancista in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-11 00:54:17]. Disponível na Internet: