conjuntivite

A conjuntivite é uma inflamação ocular. Esta alteração localiza-se ao nível da conjuntiva, a membrana mucosa transparente que reveste internamente as pálpebras e a zona anterior do globo ocular até à córnea.
Esta patologia, uma das mais comuns em oftalmologia, caracteriza-se por um incremento da secreção ocular, acompanhada de vermelhidão e inchaço da conjuntiva e das pálpebras, que parecem ficar mais presas. Pode surgir uma sensação semelhante à desencadeada pela presença de corpos estranhos no olho (como poeiras, por exemplo), assim como fotofobia (intolerância à luz). Estes sintomas tendem a acentuar-se pela manhã.
A conjuntivite pode ser desencadeada por diversas causas, quer do foro infecioso, como as conjuntivites virais e bacterianas, quer de origem traumática ou alérgica. As conjuntivites bacterianas caracterizam-se pela presença de um corrimento ocular mucopurulento, sendo o estreptococo e o estafilococo os tipos bacterianos mais frequentemente responsáveis pela inflamação.
As conjuntivites virais surgem, normalmente, associadas a infeções mais generalizadas.
As conjuntivites alérgicas surgem apenas quando o indivíduo é exposto a uma substância com potencial alergogénico, variável de paciente para paciente. Como exemplos mais comuns, podem-se mencionar substâncias químicas (presentes em produtos de higiene, por exemplo), pólen, fumo de tabaco, poluição do ar e medicamentos, entre outros.
As conjuntivites de origem traumática devem-se a impactos na zona ocular ou à invasão por corpos estranhos, como areia, por exemplo.
Podem ainda surgir inflamações em consequência da infeção por fungos.
O diagnóstico da conjuntivite é feito através da análise do historial clínico, sintomas, teste lacrimal ou ainda teste citológico com análise de suscetibilidade a antibióticos. O tratamento a aplicar depende da etiologia da inflamação, visando a diminuição dos sintomas e a erradicação da causa.
A duração da inflamação é variável, dependendo da causa desencadeadora e do tipo de tratamento adotado. A duração média não ultrapassa, geralmente, as duas semanas.
Apenas as conjuntivites virais e bacterianas são contagiosas.
Os recém-nascidos podem também apresentar conjuntivites, devido a três fatores principais: contaminação hospitalar, contaminação no decurso do parto ou por irritação devida ao nitrato de prata, usado na prevenção da conjuntivite gonocócica.
Embora a evolução seja geralmente benigna, deve ser imediatamente consultado um clínico no caso do surgimento de alterações visuais, dor intensa, febre ou persistência do prurido após o final da medicação.

Como referenciar: conjuntivite in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-03-03 02:55:06]. Disponível na Internet: