Corte na Aldeia

A obra Corte na Aldeia e Noites de inverno, de Francisco Rodrigues Lobo, foi publicada em 1619. É constituída por dezasseis diálogos didáticos sobre preceitos da vida na corte.
Inserido no contexto histórico do domínio régio filipino em Portugal, o livro reflete a deceção e a nostalgia portuguesas, devido ao desaparecimento da corte nacional, pelo que se retiraram os nobres para as suas casas senhoriais na província. Este livro pretende incentivar não só os cortesãos a fazerem a corte na aldeia, como também evidenciar (pela dedicatória a D. Duarte de Bragança, tio do futuro rei D. João IV) a necessidade da restauração da independência de Portugal, que competiria à casa ducal de Bragança, por descendência dos reis da extinta corte.
Inspirada no livro Il Cortegiano (1528, O Cortesão) de Baldassare Castiglione, a Corte na Aldeia apresenta um preceituário do comportamento cortês, abordando diversos aspetos: arte de conversar e galantear; indicações sobre epistolografia; procedimentos em diligências pessoais ou oficiais; fórmulas de tratamento; boas maneiras. Esta obra, que exclui quaisquer referências a questões religiosas e políticas, teoriza ainda sobre géneros e estilos literários e, num tom patriótico, exalta a língua portuguesa.
Corte na Aldeia é um marco importante no desenvolvimento do estilo da prosa barroca portuguesa, aproximando-se, para uns, do cultismo e conceptismo e, para outros, do maneirismo.
Como referenciar: Corte na Aldeia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-11 17:27:23]. Disponível na Internet: