DDT

O DDT é o dicloro-difenil-tricloroetano de onde deriva o nome por que é mais vulgarmente conhecido.
É um inseticida de contacto, extraordinariamente ativo, cristalino, orgânico e incolor cuja fórmula é (ClC6H4)2CH(CCl3).
Quimicamente é um derivado do clorofórmio. Pode ser obtido por reação do triclorometal com clorobenzeno na presença de ácido sulfúrico. Formam-se vários isómeros, entre os quais o DDT. A descoberta das propriedades inseticidas e tóxicas do DDT em 1938-1939, em Basileia, proporcionou o Prémio Nobel da Fisiologia a da Medicina (1948) ao químico suíço Paul Müller.
Foi o pesticida mais usado na agricultura (plantas e animais) nos anos 40 e 50 no combate a diversos insetos predadores das plantas e prestou também um valioso contributo na luta contra as epidemias de tifo durante e após a Segunda Guerra Mundial.
O DDT degrada-se muito lentamente, acumulando-se dentro do ciclo alimentício, especialmente nos tecidos adiposos, alcançando níveis perigosos na cadeia alimentar ao nível dos carnívoros.
Para evitar, em parte, este inconveniente recomenda-se um intervalo de segurança de quatro semanas.
A utilização da DDT dentro dos países da comunidade europeia só é permitida em casos especiais. Dentro do programa antimalária da Organização Mundial de Saúde, o DDT tem , porém, um papel importante.
A sua utilização repetida permite o aparecimento de estirpes de insetos muito mais resistentes.
Como referenciar: DDT in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 00:59:45]. Disponível na Internet: