Deborah Kerr

Atriz britânica, Deborah Kerr-Trimmer nasceu a 30 de setembro de 1921, em Helensburgh, na Escócia, e morreu a 18 de outubro de 2007. Foi uma das atrizes mais populares de Hollywood, tendo recebido seis nomeações para o Óscar de Melhor Atriz entre 1949 e 1960.
Ainda em tenra idade, começou a estudar ballet numa escola de música duma tia. O seu talento como dançarina fê-la ganhar uma bolsa de estudo para Londres e foi nesta cidade que se estrearia profissionalmente em 1938 no ballet Prometeu. Gradualmente, começou a desenvolver curiosidade pela carreira de atriz, tendo tirado um curso de interpretação.
Começou a trabalhar em peças shakesperianas na Old Vic, tendo chegado ao cinema através de uma figuração em Contraband (1940) de Michael Powell e Emeric Pressburger. Foram estes que, encantados pela sua beleza e elegância, apostaram nela para prestações mais exigentes: em Life and Death of Colonel Blimp (A Vida do Coronel Blimp, 1943), desempenhou três personagens diferentes. Em Black Narcissus (Quando os Sinos Dobram, 1947), interpretou uma freira que instala uma missão nos Himalaias. Este filme abriu-lhe as portas de Hollywood que não hesitou em atribuir-lhe o papel principal em The Hucksters (Traficantes de Ilusões, 1947), onde fez par romântico com Clark Gable. Com Edward, My Son (Meu Filho Eduardo, 1949), onde incorpora uma mãe que conduz o seu filho ao suicídio, arrecadou a sua primeira nomeação para o Óscar de Melhor Atriz. Após ter protagonizado o épico Quo Vadis? (1951), entrou na melhor fase da sua carreira com cinco nomeações quase sucessivas para Óscar: em From Here to Eternity (Até à Eternidade, 1953) deu a Burt Lancaster um dos mais famosos beijos da História do cinema. Passeou a sua graciosidade e dignidade em The King and I (O Rei e Eu, 1956); no ano seguinte, voltou a desempenhar uma freira em Heaven Knows, Mr. Allison (O Espírito e a Carne, 1957); e, em 1958, protagonizou, ao lado de David Niven, Bonjour Tristesse, um filme realizado por Otto Preminger, baseado na obra homónima de Françoise Sagan. Por Separate Tables (Vidas Separadas, 1958) e The Sundowners (Três Vidas Errantes, 1960) seria novamente nomeada para o Óscar de Melhor Atriz.
A partir da década de 70, trabalhou exclusivamente para televisão. Em 1994, finalmente a Academia fez-lhe justiça com a atribuição dum Óscar Honorário. No ano seguinte, após ter rodado The Assam Garden (1995), anunciou a sua retirada definitiva.
Como referenciar: Deborah Kerr in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 19:51:49]. Disponível na Internet: