Dinis Machado

Dinis Machado fez estudos comerciais, trabalhou na Federação das Caixas da Previdência e na imprensa desportiva, desenvolveu posteriormente as atividades de tradutor, autor de guiões para cinema e séries televisivas, estando ainda ligado profissionalmente à atividade editorial. Como romancista, estreou-se como escritor policial, sob o pseudónimo de Dennis McShade, até ser com O Que Diz Molero consagrado como grande ficcionista, ao acolher com êxito o aplauso da crítica especializada e do grande público. Maria Alzira Seixo salienta no romancista "a capacidade de organizar uma narrativa que polariza as múltiplas direções do seu interesse ficcional, distribuído por zonas várias que vão do culto da observação próprio do romance de costumes ao hábil manejo dos planos de discurso e da fragmentação inerente ao texto de vanguarda, do sobrenatural quotidiano de influência latino-americana à urdidura cerrada e obsessiva do folhetinesco policial, da pulverização de motivos romanescos colhidos na área de um certo usual imediato (erotismo, kitsch, bas-fonds, publicidade, banda desenhada) às atitudes liricamente depuradas de acompanhamento de um gesto ou de contemplação de um ângulo da cidade." (SEIXO, Maria Alzira e MOURÃO-FERREIRA, David - Portugal, A Terra e o Homem, Antologia de Textos de Escritores do Século XX, II série, FCG, Lisboa, 1980, p. 241).
Como referenciar: Dinis Machado in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-20 13:14:10]. Disponível na Internet: