distribuição de frequências relativas

Dada uma experiência aleatória à qual associamos uma determinada variável aleatória, é possível estabelecer para cada valor que a variável toma o respetivo número de vezes com que o mesmo é observado. Se cada um desses números for dividido pelo número total de observações, é então possível associar a cada valor da variável aleatória a respetiva frequência relativa, constituindo assim uma distribuição de frequências relativas. A distribuição de frequências relativas é empírica, contrastando assim com a distribuição de probabilidades da mesma variável aleatória que é teórica.
Como referenciar: distribuição de frequências relativas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-21 05:33:35]. Disponível na Internet: