Do Gótico ao Renascimento (sécs. XII-XIV)

O século XII é por excelência um século do florescimento da vida urbana - as cidades aumentaram, então, o seu perímetro e libertaram-se da cinta amuralhada primitiva absorvendo a população, que se fixara para lá das muralhas. Ao mesmo tempo, a cidade tornava-se não só o foco da vida comercial mas igualmente da vida intelectual, que deixa de pertencer em exclusivo aos mosteiros isolados para se instalar também nas escolas urbanas. Também dependentes do clero, as escolas (catredalícias conventuais, paroquiais ou capitulares) estruturam-se em outros moldes. Redescobriu-se a cultura da Antiguidade Clássica através dos autores árabes - Platão, Aristóteles e outros sábios chegam através de Averróis ou Avicena - e estabeleceu-se o programa de estudos no ensino das "Letras" (trivium) e das "Ciências" (quadrivium). No século seguinte, surgem as primeiras universidades corporativas, como Paris, Oxford ou Bolonha. O tipo de ensino aqui lecionado trará a lume as contradições entre os dogmas impostos pelo cristianismo e a filosofia pagã. Como resultado do esforço da ortodoxia, a doutrina escolástica proíbe e/ou reinterpreta certos autores, difundindo um saber filtrado sob os princípios da Igreja Romana.
Enquanto se elaboravam as grandes sumas teológicas, a Igreja veiculava os seus ideais através dos seus edifícios, agora expressos por um estilo mais leve, mais articulado e lógico, o gótico. Este estilo vai refletir-se igualmente na pintura e na escultura, que ganham maior liberdade em relação ao românico, mais hierático, "pesado" e "defensivo". Conhecida pelas suas catedrais, a arquitetura gótica surge graças ao avanço da teorização arquitetónica, que descobre novos meios técnicos: a invenção da ogiva e a sua utilização na criação de abóbadas mais leves em que o peso é distribuído uniformemente. As paredes deixam de ser um elemento de suporte das cargas, permitindo a abertura de largas janelas decoradas por vitrais coloridos que filtram a luz para o interior. Com paredes mais ligeiras, a estrutura eleva-se desmesuradamente, desafiando as leis da gravidade nas agulhas que rematam as torres. Este estilo arquitetónico, que começou, para muitos autores, pela mão do abade Suger na igreja da abadia de Saint-Denis, em Paris, espalhou-se rapidamente pela Europa assumindo diversas nuances regionais (em Inglaterra com as catedrais de cabeceira plana, como Durham; em Espanha, com a influência da arte mudéjar, que aponta a utilização de diferentes materiais) e temporais. Das primeiras igrejas, como Notre Dame de Paris, evolui-se para um estilo mais rebuscado, o gótico flamejante da Baixa Idade Média, que em Portugal assumirá uma variação muito própria através do designado estilo "manuelino". Digno de nota é também o estilo preconizado pelas Ordens Mendicantes, com as suas "igrejas salão" (o chamado "gótico mendicante", visivelmente em Portugal na Batalha e em S. Francisco do Porto).
Dentro deste panorama destacam-se as cidades do Norte e Centro de Itália, onde a civilização do Trecento prepara o Renascimento italiano. Esta evolução à parte do resto da Europa teve origem essencialmente no poder comercial e político que as cidades italianas possuíam, instituindo-se verdadeiros Estados. Aqui, o Renascimento é preparado na literatura, com vultos como Petrarca, Dante ou Bocaccio. As universidades insurgem-se contra o Latim da igreja (escolástico) e procuram a pureza da língua "italiana", para além de reabilitar os autores gregos e romanos. Em termos arquitetónicos, o gótico francês faz eco na catedral de Milão, mas a grande maioria das igrejas adotam um estilo próprio, socorrendo-se da ogiva mas adotando um traço mais depurado (fachadas simples ritmadas pelo contraste polícromo das pedras. Aproveitando os materiais italianos, e tetos à antiga). O gótico terá eco sobretudo na arquitetura civil, através dos seus palácios, e nas artes plásticas. A pintura e a escultura do Trecento italiano adotam muitas das características da arte gótica fundida com a estética bizantina. O génio de homens como Giotto, Simone e Cimabue na pintura, Giovanno e Andrea Pisano ou Adolfo di Cambio, na escultura, prepara de forma decisiva o Renascimento quatrocentista, que revolucionará o panorama artístico europeu com uma nova conceção estética.
Como referenciar: Porto Editora – Do Gótico ao Renascimento (sécs. XII-XIV) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-17 18:18:39]. Disponível em