Domus Municipalis de Bragança

Um dos mais importantes testemunhos da arquitetura civil do Portugal medieval é a Domus Municipalis de Bragança. Construção de características únicas em toda a Península Ibérica, esta "Câmara Municipal" é, de acordo com a tese do historiador de arte Carlos Alberto Ferreira de Almeida, um edifício dos finais do século XIII.
Símbolo de poder do municipalismo português, a Domus Municipalis bragantina apresenta uma planta de forma pentagonal, com um traçado que se inscreve no âmbito da arquitetura românica. O telhado, de cinco águas, é sustentado sobre uma cornija que assenta em modilhões historiados, motivos que se repetem no interior da construção. A iluminação do edifício é estabelecida por uma série de janelas em forma de arco abatido, que corre em contínuo ao longo da parte superior das cinco paredes de alvenaria do monumento. A moldura das janelas é lisa, com exceção das sete aberturas do lado poente, apresentando estas arquivoltas baixos-relevos em forma de estrela.
Interiormente, o espaço é amplo e unificado, apresentando um pavimento constituído por pedras de granito. Ao longo das paredes corre um comprido e desadornado banco em granito, tendo servido, com toda a probabilidade, para tomarem assento os munícipes que participavam nas reuniões camarárias da cidade de Bragança. A sala do município está assente sobre uma ampla cisterna, ocupando todo o piso inferior, e é coberta por uma poderosa abóbada de canhão.
Como referenciar: Domus Municipalis de Bragança in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 23:56:37]. Disponível na Internet: