Douglas Sirk

Realizador alemão, naturalizado americano. De seu verdadeiro nome Claus Detlef Sierck, nasceu a 26 de abril de 1900, na cidade de Hamburgo. Entrou em 1931 para os estúdios de cinema UFA como assistente de realização. Depressa lhe são conferidas tarefas de direção, nomeadamente de filmes familiares e comédias ligeiras como April, April (1935) e Schlussakkord (1936). Com a ascensão ao poder do Partido Nazi, o jovem realizador rapidamente entrou em confronto com a política cultural e ideológica de Adolf Hitler. Quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu, decidiu refugiar-se nos Estados Unidos da América, adotando o nome de Douglas Sirk. O seu primeiro filme em Hollywood foi curiosamente uma crítica acérrima a Hitler: Hitler´s Madman (1943), a reconstituição verídica de uma chacina de uma aldeia checoslovaca. O género de filme que viria a notabilizar Sirk foi o melodrama. Entre os mais célebres, contam-se A Scandal in Paris (Escândalo em Paris, 1946), Weekend With Father (Os Papás Vão Casar, 1951) e Magnificent Obsession (Sublime Expiação, 1954), que contou com Rock Hudson e Jane Wyman, par que voltaria a protagonizar aquela que seria a obra-prima do realizador - All That Heaven Allows (O Que o Céu Permite, 1955). Depois de alguns filmes menores, resolveu voltar à Alemanha, na década de 70, para ensinar cinematografia, tendo como principal discípulo Rainer Werner Fassbinder. A sua última obra foi um filme experimental, Bourbon Street Blues (1978). Morreu em 1987, em Lugano, na Suíça.
Como referenciar: Douglas Sirk in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-12-01 15:14:49]. Disponível na Internet: