ecocentro

A necessidade de reduzir a quantidade de resíduos criada pelas sociedades urbanas, assim como de diminuir a quantidade de matérias- primas (metais, madeira, etc.) mobilizada para a produção industrial, conduziu a uma valorização dos processos de reciclagem e de reutilização de vários tipos de materiais que, até aqui, se acumulavam como lixos urbanos. No entanto, para que este aproveitamento se possa realizar, é necessário que ocorra uma triagem dos diferentes tipos de resíduos e desperdícios, de modo a que se possa promover a sua valorização. O ecocentro é a estrutura onde se iniciam os processos de reaproveitamento destes materiais, sendo um local, devidamente planeado e sinalizado, onde existem vários tipos de contentores, de grandes dimensões, nos quais se realiza a deposição e recolha seletiva dos vários tipos de lixos urbanos suscetíveis de serem sujeitos a processos de reciclagem, reutilização e valorização.
O ecocentro é um local aberto às populações, onde estas podem depositar vários tipos de resíduos sólidos, separando-os de acordo com a sua composição, em diferentes contentores. Os materiais suscetíveis de serem depositados nos ecocentros dividem-se em 10 categorias principais, podendo existir, localmente, algumas variações, de acordo com as necessidades:
-     Papel e derivados: papel, cartão, revistas, jornais, livros, sacas de papel, etc.. -     Plásticos: sacos de plástico, baldes, garrafas, embalagens, etc.
-     Eletrodomésticos: eletrodomésticos velhos ou avariados (fogões, frigoríficos, etc.)
-     Vidro: garrafas e embalagens de vidro.
-     Metal: latas, embalagens, sucata de lata, alumínio, etc.
-     Madeira: palhetes, móveis, contraplacados, soalhos, etc.
-     Pilhas e baterias
-     Óleos: hidráulicos, lubrificantes, etc.
-     Resíduos verdes: matéria vegetal (ramos, aparas de jardim, etc.)
-     Entulho: pequenas quantidades de entulho (regra geral, menos de 15m3)
A separação correta dos resíduos é o passo inicial (e fundamental) para que se possa proceder à sua reutilização, sendo encaminhado posteriormente para diferentes tipos de processamento e tratamento (papel para as indústrias de celulose; metal para as fundições, etc.). No entanto, para além do que já foi mencionado, é também necessário haver alguns cuidados com a separação, já que a contaminação de alguns materiais com resíduos de outro tipo (cola, gordura, restos alimentares, etc.) torna a reciclagem dos materiais selecionados muito difícil ou impossível. Exemplo de materiais que não devem ser depositados nos ecocentros: autocolantes, embalagens de leite e sumos, guardanapos, lâmpadas, espelhos, cerâmicas, seringas, borrachas, madeira podre ou impregnada com óleos. Sempre que não seja possível uma separação efetiva das diferentes categorias de lixos, estes materiais não devem ser encaminhados para reciclagem, isto é, depositados no ecocentro.
Dada a área ocupada por um ecocentro é, muitas vezes, impossível a sua instalação no centro das grandes cidades, localizando-se preferencialmente em áreas ligeiramente mais afastadas dos centros urbanos. Por forma a que este facto não se constitua como um fator dissuasor dos hábitos de reciclagem das populações, a ação dos ecocentros é complementada pelos Ecopontos - pequenos contentores, espalhados pelas cidades e outras localidades, que se destinam à recolha seletiva do lixo produzido pelas populações locais. Existem vários tipos, como é o caso dos papelões (recolha de papel), vidrões (vidro) e pilhómetros (pilhas), entre outros.
Os ecocentros são elementos essenciais para a preservação do ambiente, permitindo a reciclagem e recuperação de materiais que, de outro modo, seriam desperdiçados, poupando-se assim matérias- primas e diminuindo a quantidade e impacto dos lixos urbanos no meio natural.
Como referenciar: ecocentro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 03:08:52]. Disponível na Internet: