Eddas

Conjunto de relatos míticos, originalmente transmitidos oralmente de geração em geração, à maneira das lendas tradicionais, os Eddas são compostos por duas partes, distintas no tempo da sua recolha, na temática e na autoria da coletânea. São eles o Edda Menor e o Edda Maior.
O Edda Menor, ou Poético, como também é conhecido, é o mais antigo de ambos. Consiste em muitos e variados contos reunidos por mão anónima provavelmente cerca de 1250, havendo, no entanto a possibilidade de a maioria das histórias terem sido escritas antes da Era Viking.
O corpus está dividido em duas partes, uma mítica, a outra heroica, constando a primeira de quinze poemas, sendo eles: o Völuspá, ou a profecia de Vala, em que uma volva (criatura mítica) canta o percurso do Cosmos, desde a sua criação à sua destruição; os Hávamál, ou os ditos de Hár, dizeres de sabedoria, e o modo como Odin aprendeu as runas; os VafÞrúðnismál, ou os dizeres de VafÞrúsðnis, em que Odin tem um despique com um gigante; os Grimnismál, ou os dizeres de Grimnir, que contam a história de dois irmãos, príncipes e filhos adotivos da deusa Frigg e de Odin, de nome Agnar e Geirrod; os Skirnismál, ou os dizeres de Skirnir, que contam como Freyr se apaixona por Gerd e envia o seu servo, Skirnir, para lhe fazer a corte; o Hárbarzljóð, ou o lais de Hárbarth, em que Thor e Hárbarth, outro nome de Odin, fazem um concurso destinado a ver quem obtém mais elogios; o Hýmiskviða, ou o lais de Hymir, no qual o gigante Hymir procura uma panela suficientemente grande para poder fermentar hidromel para o festim dos deuses; o Lokasenna, ou o desrespeito de Loki, que arromba o referido festim; o Þrymskviða, ou o lais de Þrym; o Alvissmál, ou os dizeres de Alvis; os Baldrs Draumar, ou os sonhos de Baldur; a RigsÞula, ou a canção de Rig; o Hyndluljóð, ou o lais de Hyndla; o Völuspá Hin Skamma, a pequena profecia de Vala, uma versão mais curta da história e do futuro do universo; e, finalmente, os Svipdagsmál: Grógaldr, Fjölsvinnsmál, ou os dizeres de Svipdag, o feitiço de Gróa e os ditos de Fjölsvith. A parte heroica é composta de 23 lais. O Edda Maior, ou Prosaico, foi escrito por Snorri Sturluson cerca de 1220, e é composto por três partes. A primeira é a Gylfaginning, ou a alucinação de Gylfi, conta a história de Gylfi, que põe questões sobre a mitologia nórdica a três chefes; a segunda, a Skáldskaparmál, ou a dicção poética; sendo a parte final Háttatal.
Os Eddas são a referência primária da mitologia e cosmogonia nórdicas.

Como referenciar: Eddas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-05 14:37:52]. Disponível na Internet: