efeito de Hall

O efeito de Hall, como o próprio nome indica, foi descoberto pelo físico norte-americano Edwin Herbert Hall, que nasceu em Maine, a 7 de novembro de 1855, e que faleceu em Massachusetts, a 20 de novembro de 1938.
Este efeito descreve o fenómeno físico pelo qual se gera uma tensão elétrica numa placa metálica percorrida por uma corrente, situada num campo magnético perpendicular a ela e que é perpendicular ao campo magnético e à direção da corrente.
No efeito de Hall ocorre, assim, a produção de uma força eletromotriz (f.e.m.) no interior do condutor, ou de um semicondutor, através do qual flui uma corrente elétrica, quando existe um campo magnético transversal intenso. Este efeito é causado pelo desvio das cargas portadoras pelo campo.
A intensidade do campo elétrico produzido (EH) é dada pela seguinte expressão matemática: EH =RHj/B, onde j é a densidade de corrente, B a densidade de fluxo magnético e RH é uma constante designada por constante de Hall.
O efeito de Hall pode aproveitar-se, por um lado, para a medição de campos magnéticos e, por outro, para a determinação do tipo e da densidade dos portadores de carga. Pode ser ainda utilizado em dispositivos de comutação operados magneticamente.

Como referenciar: efeito de Hall in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 21:20:37]. Disponível na Internet: