efeito Joule

A libertação de energia, como calor, num condutor metálico, devido à passagem da corrente elétrica, designa-se por efeito térmico da corrente elétrica. Este efeito é também designado por efeito Joule em homenagem ao físico inglês James Prescott Joule que o estudou pela primeira vez.
São muitas as situações do nosso dia a dia que põem à prova o efeito térmico. Alguns condutores, quando ligados à corrente elétrica, atingem temperaturas bastante elevadas, cedendo calor ao exterior, calor esse que é utilizado, por exemplo, nos aquecedores elétricos de resistência, nas torradeiras elétricas e nos ferros elétricos de engomar.
Todos estes aparelhos possuem resistências elevadas, com a finalidade de tirar partido do efeito térmico da corrente elétrica. Pode-se então ter energia térmica útil. Contudo, todos os aparelhos elétricos, quer tenham sido desenvolvidos com o objetivo anterior quer não, acabam por aquecer um pouco, ao fim de um certo intervalo de tempo. Nestes casos, a energia calorífica desenvolvida é dissipada. Logo, por efeito térmico também se pode ter energia térmica dissipada.
Joule concluiu experimentalmente que a energia térmica dissipada num condutor, quando percorrido por uma corrente elétrica, é diretamente proporcional à resistência do condutor, ao quadrado da intensidade da corrente e ao tempo durante o qual passa essa corrente. A expressão matemática que traduz este efeito é:
E = R x I2 x Dt.
O efeito Joule também é conhecido por lei de Joule.
Como referenciar: efeito Joule in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-30 01:43:24]. Disponível na Internet: