efeito Raman

O efeito Raman, como o próprio nome indica, foi descoberto, em 1928, pelo físico indiano Chandrasekhara Venkata Raman, que nasceu em Trichinopoly, a 7 de novembro de 1888, e que faleceu em Bangalore, a 21 de novembro de 1970.
Este efeito descreve a dispersão de luz inelástica e de radiação ultravioleta verificada em espetroscopia.
Este efeito foi predito teoricamente pelo físico austríaco Adolf Gustav Stephan Smekal (1895-1959) e foi demonstrado experimentalmente por Raman. Segundo este efeito, se um feixe de luz monocromática atravessa uma substância transparente parte da sua radiação será dispersa. Apesar da maior parte da radiação dispersa apresentar a mesma frequência da radiação incidente, algumas terão frequências superiores e inferiores relativamente ao feixe incidente.
Este fenómeno resulta de colisões inelásticas entre fotões e moléculas e conduz a alterações nos níveis de energia vibracionais e rotacionais das moléculas.
Um aumento da frequência traduz uma perda em energia molecular e uma diminuição da frequência traduz um ganho em energia molecular.
Este efeito é usado em espetroscopia de Raman para investigar os níveis de energia vibracional e rotacional das moléculas.
Devido ao facto de a intensidade da dispersão ser baixa, usa-se como fonte um laser.

Como referenciar: efeito Raman in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-01-24 05:54:51]. Disponível na Internet: