Egas Moniz (cavaleiro)

O cavaleiro Egas Moniz de Ribadouro evidenciou-se na primeira metade do século XII, no contexto político e militar que determinou a queda de D. Teresa e a chegada ao poder de D. Afonso Henriques.
Quando o Conde D. Henrique morreu, D. Teresa concedeu a Egas Moniz, aio de seu filho, o cargo de "príncipe Colimbriense". Com a entrada em Portugal de Fernando e Vermudo Peres, Egas Moniz perdeu o cargo para esses dois espanhóis. Apercebendo-se da intenção daqueles homens, que era entravar a marcha da libertação de Portugal, Egas Moniz decidiu atuar ajudando e aconselhando Afonso Henriques, apesar da sua curta idade, a combater Afonso VII de Leão.
Egas Moniz interveio assim no episódio do cerco de Guimarães por Afonso VII, em 1127. Esteve depois também nas batalhas de S. Mamede e de Ourique. A sua atuação causou em Afonso Henriques a mais justificada admiração e o mais alto reconhecimento, levando-o a nomeá-lo dapifer curiae (mordomo-mor), cargo que aliás já fora de seu irmão mais velho. Para além disso, Egas Moniz recebeu do infante numerosas doações e privilégios, que o tornaram um dos nobres mais poderosos do seu tempo.
A lenda que retrata Egas Moniz, com a família, a resgatar a promessa de Afonso Henriques junto do rei de Leão carece totalmente de fundamento histórico.
Como referenciar: Egas Moniz (cavaleiro) in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-19 17:30:26]. Disponível na Internet: