Egito Romano

Após a queda da dinastia dos Lágidas, representada pela sucessão dos quinze reis Ptolomeus, Roma apodera-se do Egito e por isso este perde a independência de que sempre usufruíra, apesar de ser governado por reis estrangeiros, como foi o caso do anterior período. O Egito era um trunfo muito especial para o imperador, pois era um país cheio de prestígio, fácil de defender e fornecia o trigo necessário a Roma.
Quem passou a governar o Egito foi o imperador, que adota o estatuto de descendente dos faraós, como já tinham feito os soberanos lágidas. Devido à impossibilidade de o imperador estar presente no território, fazia-se representar por um prefeito da ordem equestre, da sua confiança, instituído de amplos poderes administrativos, jurídicos e militares.
O sistema de administração local e regional não foi muito modificado, pois a divisão administrativa em nomos do período anterior continuou a vigorar, permanecendo a circunscrição fiscal fundamental, mas agora sob o governo de cavaleiros romanos. O regime agrário também não se modificou: as terras reais e sagradas tornaram-se terras imperiais e mesmo as terras de proprietários privados eram controladas pelo imperador. Muitas delas foram sujeitas a confiscações. Para além do grande domínio sobre este setor da economia, o imperador ainda tinha o monopólio sobre as minas, as salinas e a produção de papiros. Sob o Governo Romano, o Egito foi pesadamente explorado, através da enorme quantidade de regras e impostos. Por exemplo, os indígenas, tal como os escravos e os animais domésticos, eram obrigados a pagar um imposto; os artesãos pagavam uma taxa, os sacerdotes pagavam para poder ter acesso ao sacerdócio. Também recaíam taxas sobre os médicos, os mercadores, os guardas, e não raras vezes eram lançados impostos extraordinários. Naturalmente que esta carga contributiva provocou variadas revoltas entre os que eram diretamente afetados.
As diversas etnias presentes no território mantiveram os seus costumes, língua e religião. Os Romanos representavam uma parte muito pequena da população, composta por Macedónios que mantinham uma posição confortável, por Alexandrinos com privilégios que se estendiam à partilha de cargos administrativos com os Romanos, por Persas também detentores de prestígio e finalmente por Egípcios que demonstram uma cultura helenizada e beneficiavam de certas regalias, embora não tão bem aceites como os restantes, facto que se poderá comprovar pela restrição máxima de casamentos entre Romanos e Egípcios. Os escravos eram mantidos numa posição muito baixa.
Durante a dominação romana manteve-se a dualidade de cultos: os Gregos adotaram um culto imperial muito semelhante ao que era praticado no período ptolomaico e os Egípcios continuavam ligados aos seus cultos tradicionais.
A cultura helenística ainda era predominante, no entanto verificou-se uma decadência artística. Apesar desta abertura aos Gregos e aos indígenas, excetuando os Alexandrinos, era-lhes vedada a possibilidade de se tornarem cidadãos romanos.
Foi toda esta diversidade que tornou o Egito um país tão exótico, marcado pela convivência nem sempre pacífica dos vários povos que o habitaram. O período romano foi a última etapa de uma história grandiosa.
Como referenciar: Egito Romano in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-21 14:01:12]. Disponível na Internet: