elasmobranquiados

Os indivíduos da subclasse dos elasmobrânquios (ou elasmobranquiados) são carnívoros que seguem o rasto das suas presas utilizando os seus grandes órgãos olfativos e o seu sistema linha lateral, que se traduz exteriormente por um ligeiro sulco ao longo de todo o corpo e cauda e que contém um tubo alargado, dentro do qual se encontram células sensitivas ciliadas, com numerosas e pequenas aberturas à superfície.
A fecundação é interna (característica bastante avançada num grupo tão antigo) e na sua maioria os tubarões e as raias são ovovivíparos. Muitos tubarões desenvolveram elaborados processos reprodutivos. Alguns têm períodos de gestação superiores a 2 anos, o mais longo de todos os Vertebrados.
Durante o desenvolvimento dos embriões das raias venenosas e das raias elétricas, as vilosidades do útero segregam um líquido leitoso e nutritivo à medida que se vai esgotando o vitelo de nutrição do ovo.
Nas formas vivíparas como o tubarão azul (gén. Prionace) e o peixe-martelo (gén. Sphyrna) forma-se uma espécie de placenta que se intercala com as vilosidades uterinas vasculares que fornecem alimento e oxigénio. Quando os tubarões e raias nascem ou saem do ovo assemelham-se aos animais adultos.
Há presentemente cinco ordens de elasmobrânquios em que se encontram distribuídas cerca de 760 espécies.
Muito se tem escrito sobre a propensão dos tubarões atacarem os humanos, mas parece haver algum exagero em relação à sua ferocidade. Há autores que defendem que os tubarões são por natureza tímidos e cautelosos. Mas é também certo que alguns deles são perigosos para os humanos. São numerosos os casos autênticos de ataques a humanos por tubarões do género Carcharodon, o grande tubarão branco, que pode atingir os 6 metros de comprimento, do género Galeocerdo, o tubarão-tigre e o do género Sphyrna, o tubarão-martelo. A maioria dos ataques a humanos por tubarões são mais referenciados nas águas tropicais e temperadas da Austrália do que em qualquer outra região.
Como referenciar: elasmobranquiados in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-26 02:05:55]. Disponível na Internet: