Esopo

Famoso fabulista da antiga Grécia, terá nascido em Ammonious, na Frígia, e terá vivido entre o século VII e o VI a. C. As únicas informações sobre a sua vida, passíveis de credibilidade, que chegaram até aos dias de hoje são transmitidas por Heródoto, Plutarco e Heracles Pôntico, mas são tão escassas e até, por vezes, contraditórias que se chega a duvidar da existência de tal personagem. Através destes autores ficamos a saber que Esopo viveu em Samos, foi escravo, embora tenha conseguido ser alforriado, viajou pelo Egito, pela Babilónia e pelo Oriente, tendo sido morto pelos habitantes de Delfos. Plutarco conta que a sua morte teve origem numa condenação por ter roubado uma taça de ouro do interior do templo dedicado a Apolo em Delfos. Conta ainda que este acontecimento foi provocado por uma armadilha montada pelos sacerdotes do dito templo, devido a Esopo ter denunciado os maus costumes em que eles viviam. Esopo foi, então, condenado pela população de Delfos que o lançou do alto de um penedo.
Ainda pela pena de Plutarco temos notícia da sua parca fisionomia: era feio (de cabeça aguda, nariz achatado, barriga e lábios salientes), corcunda e gago, embora muito dotado intelectualmente e corajoso, a acreditar no episódio acima referido da denúncia dos sacerdotes. Tinha o dom da palavra e uma grande habilidade para contar histórias simples em que os personagens eram animais ou personagens mitológicos e nas quais havia sempre ensinamentos morais muito profundos e verdadeiros. Um curioso episódio da sua vida ilustra a sua grande inteligência. Era Esopo ainda escravo do seu primeiro senhor quando este, insatisfeito com o seu trabalho em casa, o mandou cultivar os campos. Um dia o senhor recebeu de um trabalhador um cesto de figos que confiou ao seu escravo Agathópodes enquanto ia ao banho público. Agathópodes planeou comer os deliciosos figos juntamente com um colega e imputar as culpas a Esopo. Esopo, que naquele dia tinha jejuado, bebeu água quente e vomitou para provar a sua inocência, e o senhor, obrigando os outros escravos a fazer o mesmo, encontrou e puniu os verdadeiros culpados. Esopo atribuía o seu dom da linguagem ao facto de ter ajudado uns sacerdotes de Ártemis e foi este dom que impressionou o seu terceiro senhor, Xanto, um conhecido filósofo de Samos que passeava no mercado de escravos acompanhado dos seus alunos. Xanto imaginou que Esopo fosse exibido para valorizar os outros dois escravos e perguntou-lhes o que faziam. Cantor fazia todas as coisas e custava mil moedas. Gramáticos também fazia todas as coisas e custava duas mil moedas. Ambas as quantias eram impensáveis para Xanto, que dirigiu a sua pergunta a Esopo, que respondeu que nada fazia porque os outros dois já faziam tudo e que era na verdade deformado, mas que um filósofo deveria considerar a mente para além da aparência. Xanto comprou Esopo por um preço muito reduzido e, mais tarde, surpreendido pela sua genialidade, veio a libertá-lo. Provável inventor da "moral da história", Esopo tornou-se um mito e foi citado por, para além dos autores já mencionados, Aristófanes e, ao que parece, Sócrates pôs em verso as suas fábulas, com base na coletânea, hoje perdida, que em meados do século V a. C. circulava em Atenas. A mais antiga coletânea de fábulas atribuídas a Esopo de que se tem conhecimento é a de Demétrio de Faleros (século IV a. C.), depois encontra-se outra de Bábrio (século III d. C.) e Fedro (século I d. C.). No século XIV um monge grego, de nome Planudio, escreveu a Vida de Esopo, sendo-lhe atribuída também a coletânea que hoje é conhecida como Fábulas de Esopo. La Fontaine e Florian, entre uma imensidão de outros autores cuja influência é mais indireta, inspiraram-se diretamente nas Fábulas de Esopo. La Fontaine escreveu também a sua biografia, A Vida de Esopo, o Frígio, considerando-o um grande sábio que ensinava a verdadeira sabedoria com muita arte. As centenas de fábulas da autoria de Esopo incluem histórias que fazem parte do património de todo o mundo. Na Raposa e as Uvas, a raposa, desdenhando as uvas que não conseguia alcançar, deu origem à moral "É fácil desdenhar o que não se consegue ter" enquanto na Raposa e o Corvo sugere "Nunca confies nos que te gabam demasiado" e na Raposa e a Máscara diz que "O valor do exterior é pobre substituto do valor interior". Em O Galo e a Pérola, em que o animal prefere um grão de aveia à pérola, sugere que "As coisas valiosas são para os que as sabem apreciar". Em O Lobo e o Cordeiro em que o primeiro come o segundo invocando razões inexistentes diz que "A um tirano qualquer desculpa lhe serve". No Cão e a sua Sombra existe a moral de que "Cuidado em não perderes o essencial, ao tentares agarrar a tua sombra". No Leão Moribundo a máxima é "Apenas os cobardes atacam a majestade agonizante". Nas Rãs que Queriam Ter um Rei Esopo sugere que "Mais vale não ter governo nenhum que ter um governo cruel". No Homem Calvo e a Mosca chega à conclusão de que "Quem ataca de mais inimigos insignificantes prejudica-se a si mesmo". No Cão e o Lobo o último diz que "Mais vale fraco e livre do que gordo e escravo". A Fábula A Gata e Afrodite, em que a gata, transformada em mulher pela deusa, se esquece da sua nova condição e corre atrás de um rato para o comer, Esopo viu a seguinte lição: "O perverso pode mudar de aparência, mas nunca de hábitos".
As fábulas atribuídas a Esopo, pois como tudo o resto não é certo que dele sejam, podem ter sido inspiradas nas fábulas escritas em sânscrito chamadas Pancatantra e Hitopadesa, tanto pela semelhança como pelo elemento acima referido da viagem de Esopo ao Oriente.
As fábulas caracterizam-se por serem lições alegóricas sobre o comportamento moral exemplar, em que as personagens são animais. É, sobretudo, uma forma de pedagogia muito importante essencialmente para as crianças, cuja viva imaginação fixa mais facilmente tudo quanto seja do domínio do fantástico.
Como referenciar: Porto Editora – Esopo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-17 10:11:58]. Disponível em