espetro

Originariamente designava-se por espetro a decomposição da luz branca em luz de diferentes cores, isto é, em ondas de diferentes comprimentos de onda ou frequências.
Para tal, basta colocar um prisma em frente a um feixe de luz branca e obter-se-á o espetro visível.
Esta definição foi no princípio deste século generalizada a todas as ondas eletromagnéticas. Estas constituem o designado espetro eletromagnético. Este espetro compreende uma gama de energias eletromagnéticas distribuídas por ordem crescente ou decrescente do comprimento de onda ou da frequência: ondas de rádio (longas, médias, curtas e ultracurtas), micro-ondas, raios infravermelhos, luz visível (segundo a série: vermelho, amarelo, verde, azul e violeta), raios ultravioleta, raios X, raios gama e radiação cósmica. Todas estas radiações se propagam no vazio à mesma velocidade: 300 000 km/s ou 3x108 m/s. Noutros meios transparentes a velocidade é menor e varia com as características da radiação.
Cada tipo de radiação é caracterizada pelo seu comprimento de onda e pela sua frequência. Enquanto o comprimento de onda varia com o meio onde se propaga a onda, a frequência mantém-se constante.
As ondas luminosas emitidas observam-se num espetroscópio sob a forma de linhas espetrais. No caso dos gases monoatómicos as diferentes linhas espetrais estão bem separadas (espetro de riscas); no caso das moléculas em movimento devido ao grande número de níveis de energia situados muito próximos entre si, as linhas espetrais formam grandes áreas de contornos imprecisos (espetro de bandas).
Os espetros podem ser classificados em contínuos ou descontínuos. Os contínuos apresentam uma imagem contínua e multicolorida formada por uma sequência inteira de frequências numa gama relativamente extensa. Os materiais incandescentes, sólidos ou líquidos, emitem um espetro contínuo.
Os descontínuos contêm imagens só com determinadas cores, isto é, só apresentam determinadas frequências. São produzidos por átomos e iões excitados quando regressam a níveis de energia mais baixos.
Podem ainda distinguir-se os espectros de emissão e os espectros de absorção. No que diz respeito aos primeiros, os átomos são previamente excitados e analisa-se a radiação que emitem quando perdem essa energia, obtendo-se um espetro de riscas descontínuo. Quanto aos segundos, faz-se incidir radiação eletromagnética sobre a substância e analisa-se a radiação após esta ter atravessado a substância, obtendo-se um espetro de riscas escuras (ausência de determinadas frequências).
As riscas observadas no espetro de emissão têm correspondência nas riscas observadas no espetro de absorção.
Como referenciar: espetro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 13:52:59]. Disponível na Internet: