estatística

Ciência que consiste na recolha, manipulação e classificação de dados tendo em vista o conhecimento de determinado fenómeno (estatística descritiva) e a possibilidade de, a partir desse conhecimento, inferir possíveis novos resultados (estatística indutiva).
A estatística é lida com números provenientes de contagens ou medições e tem grande aplicação em áreas como a política, a sociologia, a economia ou a ciência, entre outras. Cada vez se dá maior importância aos estudos estatísticos como forma de procurar conhecer antecipadamente qual o resultado que poderão ter, por exemplo, determinada medida política ou determinada técnica de fabrico de um produto. Essa importância crescente fica a dever-se não só ao reconhecimento da sua validade e multiplicidade de aplicações, mas também ao facto de ser possível, com o constante desenvolvimento das capacidades de processamento informático, trabalhar com grandes quantidades de dados de forma rápida e eficiente.
A base da estatística reside na recolha de dados que pode ser feita de duas formas essenciais: os censos e as sondagens. Em qualquer caso, é necessário definir previamente, e com rigor, a população que se pretende estudar. (De notar que em estatística se aplica o termo população a qualquer conjunto de elementos com pelo menos uma característica comum. Por exemplo, o conjunto dos eleitores portugueses formam uma população. O conjunto dos fósforos produzidos numa fábrica ao longo de uma semana formam outra população.) Num censo são observados todos os indivíduos de uma dada população. Numa sondagem, o estudo baseia-se numa parte da população a que se dá o nome de amostra e que se supõe representativa dessa população. Naturalmente que os resultados obtidos a partir da realização de um censo serão mais fiáveis mas a economia de meios e custos, a comodidade, a rapidez e o pequeno número de elementos que pode ser necessário destruir (por exemplo, não faz sentido experimentar todos os fósforos produzidos numa semana numa fábrica para testar a sua qualidade) constituem óbvias vantagens das sondagens relativamente aos censos. Claro que, neste caso, o fator crítico da boa ou má representatividade da amostra selecionada faz com que sejam de admitir erros nas inferências que se fazem a partir dos resultados obtidos. Este aspeto é ultrapassado pelo controlo do próprio erro dentro de limites razoáveis de acordo com cada situação.
Como referenciar: estatística in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-19 17:28:49]. Disponível na Internet: