Estêvão da Guarda

Trovador português, escrivão régio ao serviço de D. Dinis, de quem recebeu doações e benesses, como recompensa pelos bons serviços prestados. Após a morte de D. Dinis, com a subida ao trono de D. Afonso IV, é protegido por D. Pedro, conde de Barcelos. O afastamento da corte parece corresponder a um maior desenvolvimento da atividade poética, nomeadamente, a uma maior produção de composições satíricas, que têm como alvo privilegiado os privados régios, nobres e juristas, promovidos na sequência da política de centralização e burocratização do novo monarca. Presente nos cancioneiros da Biblioteca Nacional e da Vaticana com seis cantigas de amor, uma cantiga de amigo e vinte e oito cantigas de escárnio e maldizer.
Como referenciar: Porto Editora – Estêvão da Guarda na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-23 07:15:58]. Disponível em