excedente do consumidor

O pensamento económico dominante prevê a possibilidade de, numa transação efetuada voluntariamente entre duas entidades, ambas obterem ganhos ou benefícios, sendo que, de outro modo, não a efetivariam. Neste contexto, torna-se por vezes importante medir ou avaliar o benefício obtido pelas partes envolvidas numa determinada troca ou transação. Daqui nascem os conceitos de excedente do produtor (medida do benefício obtido pela empresa ou produtor) e excedente do consumidor.
O excedente do consumidor corresponde à medida em unidades monetárias do benefício por ele obtido como resultado de uma transação que tenha efetuado. A existência de um benefício para o consumidor como consequência de uma transação resulta do facto de, para quantidades inferiores àquela que efetivamente acabou por adquirir, o preço que ele estava disposto a pagar ser superior ao que na prática acaba por suportar. Por sua vez, esse facto resulta de a utilidade marginal obtida pelo consumidor por cada unidade de produto ser decrescente. Assim, para a aquisição de apenas uma unidade do produto, o consumidor estaria disposto a suportar um determinado preço, superior ao que acaba por efetivamente pagar. A diferença entre os dois valores é o excedente do consumidor na compra da primeira unidade. Tendo em conta que o valor que o consumidor está disposto a pagar pela segunda unidade é inferior ao aceite para a primeira, e partindo do pressuposto que o preço que acaba por ser pago é ainda mais baixo, o excedente da segunda unidade corresponde à diferença entre o preço que o consumidor estaria disposto a pagar por ela e o preço que acaba por suportar. Assim sendo, o consumidor obtém um excedente em cada uma das unidades anteriores à última por ele adquirida, sendo esse excedente decrescente. Em suma, o equivalente monetário da utilidade total retirada dos produtos adquiridos é superior ao valor gasto.
Representando em termos gráficos a curva da procura (e assumindo os pressupostos necessários), o excedente do consumidor pode ser representado pela área do triângulo que tem como lados a própria curva da procura, o eixo vertical das ordenadas e a linha horizontal que corresponde ao preço suportado.
A situação em termos de estrutura de mercado em que à partida se verifica um maior valor para o excedente do consumidor é a de concorrência perfeita. No caso da prevalência de uma situação de monopólio, o facto de o monopolista impor uma quantidade inferior e um preço superior ao mercado faz com que o benefício líquido dos consumidores seja naturalmente inferior.
Um outro aspeto que influencia o excedente do consumidor é a eventual existência de fatores que oneram o preço dos produtos, como é o caso dos direitos aduaneiros que incidem sobre os produtos importados. O facto de esse instrumento implicar à partida a imposição de preços superiores faz com que automaticamente o valor do excedente do consumidor sofra um decréscimo.
Como referenciar: Porto Editora – excedente do consumidor na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-25 22:37:56]. Disponível em