Feitoria de Benim

Feitoria portuguesa situada no golfo da Guiné, não muito longe do delta do rio Níger. Este local foi explorado por João Afonso de Aveiro entre os anos de 1484 e 1486. Foram estabelecidas relações com o reino de Benim, criando-se ali uma feitoria com o objetivo de proteger e fomentar as trocas comerciais com a região e desviar para a costa africana o comércio terrestre de ouro nas mãos dos muçulmanos.
Da região do Benim veio a primeira pimenta africana, chamada a pimenta de rabo, que não teve grande aceitação na Europa e que acabou por ser proibida pela coroa portuguesa por poder fazer concorrência à pimenta indiana de Calecute, agora nas mãos dos comerciantes portugueses. Benim tornou-se, acima de tudo, um importante centro de tráfico de escravos, inserido na rota comercial entre S. Jorge da Mina e as ilhas de Cabo Verde. Os escravos eram levados para S. Jorge da Mina para serem trocados por ouro. Com a chegada do ouro de Sofala (Moçambique), o interesse pelo tráfico de escravos decaiu substancialmente, ficando as feitorias de Benim e de S. Jorge da Mina abandonadas à sua sorte. Houve igualmente uma tentativa gorada de cristianização do local, que acabou por não resultar quer pelas condições climatéricas, nocivas para os evangelizadores, quer pelo espírito idólatra e animista do povo de Benim.
Como referenciar: Feitoria de Benim in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-17 00:44:42]. Disponível na Internet: