feminização

O processo de desenvolvimento de postos de trabalho não manuais femininos está associado à introdução da designação de feminização do trabalho de colarinho branco de rotina. Alguns sociólogos relacionam a feminização e a desqualificação, na medida em que muitos dos empregos ocupados maioritariamente por mulheres se tornaram rotineiros (trabalho de escritório ou secretariado, emprego de venda a retalho, assistente de vendas, indústrias do lazer, etc.).
Na aceção mais ampla desta noção de feminização, pode considerar-se que existem hoje duas situações que se diferenciam. No Norte, a sociedade é cada vez mais dominada pelos valores das mulheres e por uma feminização dos modos de vida e das atitudes. O carácter feminino transmite-se, hoje, da vida doméstica à moda, ao trabalho, à política, à preocupação com o corpo, etc. Em contrapartida, o Sul continua dominado pelo homem, encontrando-se a mulher ainda numa situação de opressão, dependência e inferioridade (casos como a China, a Índia, o Irão ou grande parte das sociedades africanas). Aí, a situação da mulher é precária e não tende a melhorar, devido à pobreza, ao analfabetismo, ao salário inferior ao do homem, etc. O caso da Índia é um exemplo de como a educação da menina é, desde logo, desvalorizada em relação à do rapaz. Na Europa, particularmente em França, a denúncia da dominação masculina assumiu duas vertentes. As feministas radicais repudiam a afirmação de uma especificidade feminina, que, segundo elas, serviria a discriminação, enquanto uma outra corrente, inspirada na psicanálise, considera a existência de uma dualidade do género humano.
A seguir às reivindicações dos direitos das mulheres e às lutas pela igualdade de direitos em relação aos homens (sem que, no entanto, a igualdade tenha sido atingida), assiste-se hoje à introdução dos valores femininos no mercado, na política, na cultura. Nesta medida, há uma feminização da sociedade em setores onde, outrora, a influência da mulher não se fazia sentir. Da esfera doméstica e da educação das crianças - domínio que lhes estava reservado -, as mulheres acederam progressivamente à igualdade jurídica, política, social, intelectual, económica, passando a assumir lugares de decisão e de chefia na sociedade, embora estando ainda numa situação de minoria. A questão está em saber até que ponto poderemos falar de uma progressiva feminização das relações de trabalho e poder.

Como referenciar: feminização in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-12 11:20:49]. Disponível na Internet: