Fernando Sabino

Escritor, repórter e cronista brasileiro, Fernando Tavares Sabino nasceu a 12 de outubro de 1923, em Belo Horizonte, Mina Gerais, e faleceu a 11 de outubro de 2004, no Rio de Janeiro. Demonstrou a sua vocação como escritor muito cedo, tendo começado a publicar ainda adolescente as suas crónicas em revistas literárias. Formou-se em Direito em 1946 e exerceu várias profissões não deixando, contudo, de escrever crónicas, novelas, contos e romances. Foi funcionário público no Brasil e trabalhou dois anos num escritório em Nova Iorque (época que aproveitou para conhecer melhor a literatura norte-americana e a vida diária dos cidadãos nova-iorquinos - A Cidade Vazia, 1950). De regresso ao Brasil foi escrivão e, seguidamente, foi viver para Londres durante dois anos como adido cultural da Embaixada do Brasil. Entretanto, entre outras atividades, publicou o seu primeiro livro de contos Os Grilos Não Cantam Mais em 1941, e o seu primeiro romance, intitulado O Encontro Marcado em 1956. Colaborou no jornal literário Dom Casmurro, na revista Vamos Ler e no Anuário Brasileiro de Literatura, escreveu crónicas para O Diário Carioca, Jornal, Correio da Manhã e Manchete (participou nesta revista desde o primeiro número e durante cerca de quinze anos, escrevendo reportagens e crónicas), entre outras publicações. Fundou duas editoras - Do Autor (1960) e Sabiá (1967) - juntamente com Rubem Braga e Walter Acosta, e criou a produtora cinematográfica Bem-te-vi Filmes (de documentários) com David Neves.
Como escritor, caracteriza-se pela sua preocupação em revelar, por vezes de forma pitoresca ou poética, a realidade do quotidiano urbano, as injustiças, frustrações e indecisões humanas.
É autor de um vasto conjunto de obras, distribuídas por crónicas, contos, novelas e romances, de que são exemplo Os Grilos Não Cantam Mais (conto, 1941), Encontro Marcado (romance, 1956), O Homem Nu (conto, 1960), A Mulher do Vizinho (crónica, 1962), Medo em Nova Iorque (crónica, 1979), O Grande Mentecapto (romance, 1979), O Menino no Espelho (romance, 1982), O Gato Sou Eu (conto, 1983), A Faca de Dois Gumes (novela, 1985) e Aqui Estamos todos Nus (trilogia de ação e suspense, 1993 - "Um Corpo de Mulher", "A Nudez da Verdade" e "Os Restos Mortais"). Em 2001, foram lançados Livro Aberto e Cartas Perto do Coração (este último inclui a correspondência trocada pelo autor e Clarice Lispector nas décadas de 40, 50 e 60.).
Como reconhecimento do seu valioso contributo para a literatura brasileira, recebeu, pelo conjunto da sua obra, em 1999 o prémio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras.
Como referenciar: Fernando Sabino in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-06 11:02:11]. Disponível na Internet: