Fernão Veloso

Personagem da obra Os Lusíadas (1572) de Luís de Camões. Um dos marinheiros da frota que ruma à Índia merecedor de uma atenção particular: é individualizado pelo nome e a sua caracterização aponta para a humanização dos navegadores, parecendo mesmo, pela sua ação, provocar uma rutura com a serenidade da exaltação épica dos heróis. No canto V, protagoniza um episódio que suscita o humor: ignorando o perigo, crê-se, na sua arrogância, seguro para ir a terra, porém, o aventureiro é atacado pelos indígenas e forçado a regressar apressado ao navio. Quando se vê alvo de chacota pelos companheiros, mantém a sua postura de herói destemido e afirma: "Mas, quando eu pera cá vi tantos vir / Daqueles cães, depressa um pouco vim, / Por me lembrar que estáveis cá sem mim". O mesmo sentido de humor é reafirmado no canto IX, quando, desembarcados os navegadores na Ilha dos Amores, Veloso dá um grito de espanto e aconselha os outros a seguirem as deusas, com intuito de verificarem "se fantásticas são, se verdadeiras". Ao Veloso cabe ainda, no canto VI, a função de narrador, distraindo os companheiros com a história cavalheiresca dos "doze" de Inglaterra.
Como referenciar: Fernão Veloso in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-17 19:29:48]. Disponível na Internet: