Filipe, o Bom

Arquiduque da Áustria e rei de Castela, era filho de Maximiliano I da Áustria e de D. Margarida de Borgonha. Com apenas 18 anos (1496), Filipe casou com Joana, a Louca - filha dos Reis Católicos, Fernando de Aragão e Isabel de Castela - que recebera este cognome por manifestar sinais de insanidade mental à morte de sua mãe.
O falecimento de D. João de Aragão em 1497, da Infanta D. Isabel sua irmã em 1498 e do filho que esta tivera do rei de Portugal fez com que Filipe e Joana se tornassem os mais prováveis candidatos à Coroa de Espanha. Por volta de 1502, Filipe permaneceu alguns meses em Espanha, seguindo depois para a Áustria. Ao passar por França celebrou com Luís XII o Tratado de Lion. Com a morte da rainha D. Isabel em 1504 a aristocracia castelhana chamou-o a Espanha. Este desembarcou na Corunha (1506) para dar início às negociações com o seu sogro, D. Fernando, que tinha encontrado em Aragão.
Perdeu rapidamente a sua popularidade, procurando interditar a sua esposa devido à sua alegada loucura. A situação agravou-se quando foi arrebatado por uma paixão.
À sua morte deixou dois herdeiros: Carlos V e Ferdinando, o imperador da Alemanha. Carlos V, em memória dos seus pais, Filipe e Joana, mandou erigir na Catedral de Granada um majestoso mausoléu em estilo quinhentista.
Como referenciar: Filipe, o Bom in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 11:16:10]. Disponível na Internet: