Filisteus

De proveniência ignorada (apesar de se saber com uma certeza quase absoluta que têm uma raiz indo-europeia), são muitas as hipóteses colocadas para a origem deste povo.

Uma das apontadas e a mais consensual é a de ter pertencido a um grupo de povos, chamados os Povos do Mar, que efetuaram uma migração em massa no século XIII a. C. para muitas das regiões da Anatólia e da zona mediterrânica oriental, entre as quais se encontra o Egito.
É de facto entre os escritos egípcios dos reinados dos faraós Mineptah e Ramsés III que se encontram as primeiras referências aos Filisteus, que integrando os Povos do Mar (designados igualmente como "Povos habitantes das ilhas" e "Povos do Norte") devastaram o Chipre, Ugarit, levaram à queda dos Hititas e acabaram com a Idade do Bronze.
Chamados de Peleset numa inscrição egípcia no pilone de Medinet Habu, acabaram por dominar os Cananitas e estabelecer-se nas zonas de Ekron, Gat, Ashdod, Gaza e Ascalon (que em junção formavam a chamada Pentapólis Filisteia), acabando por dar o nome à Palestina.

A Bíblia refere ainda que os Filisteus eram originários de um local, Keftiu, que se situaria ou na Cilícia, Ásia Menor, ou em Creta, no Mar Egeu.
A cidade de Gat foi destruída entre os anos 800 e 700 a. C., na sequência dos conflitos contra os Arameus, tendo Askalon, Ashdod e Ekron desaparecido após os ataques levados a cabo por Nabucodonosor, no século VI a. C.

Estas cidades, cada uma delas governada por um seranim ("senhor"), não voltaram a ser edificadas e habitadas pelos Filisteus, que a partir desta altura quase não são mencionados em documentos da época ou posteriores.
A religião que os Filisteus praticavam era politeísta, sendo Baal e Dagon alguns dos deuses principais.

Desta cultura restam fragmentos de cerâmica pintada e armas, feitas com um material do seu uso quase exclusivo, o ferro, e com um elevado nível de aperfeiçoamento técnico, o que lhes valeu a superioridade militar tão falada na Bíblia nos conflitos entre Filisteus e Hebreus.

Heródoto, em meados do séc. V a. C., fala do país dos Filisteus, mas é sobretudo a Bíblia que, no Antigo Testamento, os coloca em constante guerra com os hebreus, como no episódio de David e Golias.
Aí, o gigante filisteu, natural de Gat, surge a desafiar alguém do lado do exército hebraico para o defrontar, sendo, por fim vencido pelo pequeno David (Samuel, 17, 49-50).
O Padre António Vieira, no Sermão de Santo António aos Peixes, lembra este episódio bíblico em que Golias "quarenta dias contínuos esteve armado no campo, desafiando a todos os arraiais de Israel, sem haver quem se lhe atrevesse".

Como referenciar: Filisteus in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-21 23:20:19]. Disponível na Internet: