Forte de S. Filipe

Cidade portuária habitada desde remota idade, Setúbal registou um acentuado crescimento urbano a partir da 2.ª metade do século XIII. A população local pede a D. Afonso IV que se construa um perímetro defensivo, projeto que é autorizado e que se consubstancia na medieval Cerca Velha. Deste castelo pouco subsiste, devido à urbanização recente e à profunda readaptação, iniciada nos finais do século XVI e concluída no seguinte.
No topo de uma colina ergue-se S. Filipe, altivo e poderoso, defendendo mar e terra. As obras iniciaram-se durante a dominação filipina, seguindo os planos do arquiteto italiano Filipe Terzi. A partir de 1590, Filipe III dá o impulso definitivo para a conclusão das obras, de forma a poder suster eventuais ataques de pirataria ou de armadas inimigas. Morrendo Terzi em 1597, as obras prosseguiram com Leonardo Turriano - Engenheiro-Mor do Reino e fidalgo da Casa Real. Com D. João IV o castelo é ampliado.
S. Filipe de Setúbal é uma fortaleza abaluartada, prática e robusta, adaptada às novas técnicas da pirobalística. As suas altas cortinas reentrantes e angulosas conferem ao forte uma acentuada imponência.
O seu esquema apresenta um largo fosso envolvendo os elevados e espessos panos de muralha, constituído por duas linhas de cortinas defensivas. O portal principal, com as armas reais de D. João IV, é defendido por quatro enormes aberturas de tiro abobadadas. Num plano perpendicular à porta fortificada corre uma galeria coberta por abóbada de berço. A rampa conduz a uma pequena capela, cujo revestimento interior é feito por azulejos da autoria de Policarpo Oliveira Bernardes, datados de 1736 e versando episódios da vida de S. Filipe. Esta galeria estabelece ligação para leste com uma série de amplas esplanadas, desniveladas e comunicantes entre si através de diversos túneis abobadados. Na zona sul da fortaleza implanta-se um edifício militar convertido em unidade hoteleira, que se encontra próximo da cisterna. As defesas desta praça forte setubalense são reforçadas por robustos parapeitos, canhoneiras diversas e guaritas angulares.
Como referenciar: Forte de S. Filipe in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 16:51:52]. Disponível na Internet: