Francis Bacon (pintor)

Pintor autodidata, Francis Bacon nasceu em Dublin em 1919, de pais ingleses, e viria a morrer em Madrid, a 28 de abril de 1992. Nunca recebeu uma educação artística formal, contentando-se, segundo as suas próprias palavras, em "experimentar". A influência de Picasso (que viria a criticar) e da estética cubista faz-se sentir nos primeiros trabalhos. Instalou-se em Londres como decorador de interiores, mas privilegiando sempre a pintura. Em 1933 a sua Crucificação ilustrava o livro de Herbert Read Art Now. Pintou muitos trabalhos em série, a partir de fotografias por vezes rasgadas e amarrotadas, que acumulava no chão, de animais selvagens, de combates de boxe, de futebolistas. O retrato de Inocêncio X de Velásquez viria a tornar-se uma obsessão na sua obra. Nos anos 50 pintou uma série de telas inspiradas nas máscaras de William Blake e na pintura de Van Gogh. As figuras são solitárias, sofredoras, anómalas, deformadas, vorazes. Tratava-se de ir mais longe do que a mera representação ou narração pictural. Para Bacon, tratava-se de reencontrar a sensação. Durante muito tempo o seu objetivo foi o de capturar a expressão instintiva e animal da dor. Dor e violência enquanto confrontos com a vida e com a morte: em Tríptico em homenagem a George Dyer (1971) a morte atinge-o pessoalmente. Para classificar a sua pintura usaram-se adjetivos como visceral, alucinante, brilhante, chocante, visionária. Enquanto artista, viveu a compulsão de rasgar o véu das aparências.
Como referenciar: Francis Bacon (pintor) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-22 00:44:26]. Disponível na Internet: